Economia

O mercado brasileiro pode estar chegando ao fundo do poço

As coisas parecem muito ruins para o Brasil. A chamada variante de Manaus trouxe o coronavírus de volta com força total. E o Lula está solto. O ex-presidente esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva saiu da prisão no mês passado depois que os tribunais basicamente anularam sua condenação por corrupção, e parece que vai desafiar o titular Jair Bolsonaro em outubro de 2022.

Tudo isso significa que pode ser hora de comprar. “Eu ficaria surpresa se as coisas não estivessem melhorando daqui a um mês”, diz Verena Wachnitz, uma gerente de portfólio de ações da América Latina na T. Rowe Price.

iShares MSCI Brasil fundo negociado em bolsa (ticker: EWZ) caiu 7% este ano, enquanto os mercados emergentes globais avançaram 5%. Isso torna o Brasil o terceiro mercado emergente mais barato, depois da Rússia e da Turquia, com uma relação preço / lucro médio de 9,2, calcula Alex Altmann, chefe de estratégia de negociação de ações do Citi. “Supondo que os casos de vírus mais uma vez pareçam estar no pico, o Brasil começa a parecer bastante interessante”, diz ele.

Essa suposição é razoável, acrescenta Malcolm Dorson, gerente de portfólio para a América Latina da Mirae Global Asset Investments. O ruidoso ceticismo do vírus Bolsonaro atrasou o lançamento da vacinação no Brasil. Mas um serviço nacional de saúde subestimado pode acelerar rapidamente. “O sistema pode lidar com 2 milhões de tiros por dia”, diz ele. (Eles estão em torno de 600.000 agora.) “Isso é o melhor em todos os mercados emergentes.”

Os fogos de artifício do Bolsonaro-Lula desviaram a atenção de um progresso político mais silencioso. O Congresso comprometeu-se habilmente entre o estímulo pandêmico e as preocupações com dívidas de longo prazo, diz Wachnitz. Ele estendeu o chamado programa de transferência de dinheiro por quatro meses em troca de controles fiscais mais rigorosos no futuro.

O banco central aumentou as taxas de juros em 0,75 ponto percentual em 1º de março, após flertar com taxas reais negativas. Isso deve impulsionar uma moeda que caiu 5% este ano, mesmo com a recuperação dos preços das exportações de commodities do Brasil, diz Tony Wolpon, ex-presidente do banco central e agora estrategista-chefe do WHG em Brasília. “O câmbio real efetivo é o mais barato desde 2002, quando tivemos uma crise política e não havia reservas”, afirma. “Agora temos $ 300 bilhões.”

Wolpon também está tranquilo sobre Lula, que ocupou o poder de 2003-2011, tendo outra chance aos 76 anos. “Lula era realmente um cara de centro-esquerda [Bill] Clinton- [Tony] Blair”, diz ele. “O Brasil alcançou sua classificação de grau de investimento com Lula.”

O mercado brasileiro oferece várias estratégias de aposta na recuperação. Dorson prefere nomes de consumidores estáveis ​​e estabelecidos, como a rede de farmácias Raia Drogasil (RADL3. Brasil) e operadora de loja de departamentos Lojas Renner (LREN3.Brasil). Ambas as ações se mantiveram até a liquidação do primeiro trimestre.

O país é rico em anjos tecnológicos decaídos que podem aproveitar a melhora do sentimento global ou local. Pedra dos provedores de pagamentos (STNE) e Pagseguro Digital (PAGS) perderam ambos um quarto de seu valor desde meados de fevereiro. E-merchant MercadoLibre (MELI) e Locaweb (LWSA.Brazil), o Go Daddy da América Latina, caiu quase com a mesma força.

Petróleo Brasileiro, campeã do petróleo estatal (PBR) é uma aposta de recuperação idiossincrática. As ações da empresa despencaram 23% desde 22 de fevereiro, quando Bolsonaro demitiu seu CEO por ousar aumentar os preços dos combustíveis em linha com o petróleo bruto. O petróleo se manteve estável perto de máximos de três anos desde então.

O Brasil é um lugar volátil onde as boas notícias podem não durar muito. Bolsonaro poderia responder ao desafio de Lula “tornando-se populista” e estourando o orçamento, diz Dorson. A febre eleitoral e os gastos provavelmente dominarão o país nesta época do ano que vem. Mas muitas más notícias estão incluídas.

Voltar ao Topo