Economia

Governo prevê crescimento do PIB de 2,5% em 2022

Economia governo pib julho defict

Os investimentos do setor privado e a recuperação do setor de serviços devem liderar o crescimento em 2022, afirma a Secretaria de Política Econômica (SPE) na Pesquisa MacroFiscal divulgada quinta-feira. Enquanto o mercado reduz suas projeções de expansão do PIB para o próximo ano para 1% ou menos, o governo aposta em uma expansão de 2,5%. Neste ano, será de 5,3%.

O governo manteve as projeções de crescimento da edição anterior da pesquisa, de julho. No entanto, o governo elevou suas projeções de inflação. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 5,9% para 7,9%, o Índice Geral de Preços (IGP-DI) de 17,4% para 18% e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 6,2% para 8,4%.

O INPC é utilizado para ajustar despesas governamentais obrigatórias, como previdência e previdência, bônus e seguro-desemprego. Com a revisão da projeção para 2021, as despesas federais para 2022 ficarão em torno de R $ 18 bilhões maiores, conforme divulgado pelo Valor na última segunda-feira.

O aumento forçará uma contenção ainda maior dos gastos discricionários, disse o secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida. No entanto, o orçamento de 2022 não é inviável, nem a máquina de governo será desativada. O governo conta com algum mecanismo que permita o parcelamento de dívidas judiciais previstas para o próximo ano, um ônus de R $ 89 bilhões, para se livrar desse impasse.

A solução para o pagamento de ordens judiciais e a aprovação no Congresso da reforma do Imposto de Renda “mudam o jogo”, diz o secretário. Eles têm o poder de mudar o clima da economia, para que as instituições que agora estão cortando suas projeções de PIB para o próximo ano refizem para cima os cálculos, aposta. Outra parte desse conjunto de desafios é a licitação da internet 5G.

Como um incentivo aos analistas que cortam as projeções de expansão do PIB para o próximo ano, o Sr. Sachsida iniciou sua apresentação citando o estatístico William Edwards Deming: “Nós confiamos em Deus; todos os outros devem trazer dados. ”

O Banco Itaú reduziu sua estimativa para 0,5%; consultoria macroeconômica MB Associados, para 0,4%. A Pesquisa Focus do Banco Central, que pesquisa mais de uma centena de instituições financeiras, traz uma projeção de 1,72%.

Segundo Sachsida, a transição estatística do PIB deste ano para o próximo será de 1,2%. Assim, seria necessário registrar taxas de crescimento negativas ao longo de 2022 para chegar a 0,5%, afirmou. A SPE espera expansões na faixa de 0,4% a 0,5% a cada trimestre, levando a 2,5% no ano.

Rebatendo os motivos apontados por analistas para o pessimismo, o secretário disse que a taxa de juros está em patamares historicamente baixos. Mesmo que a Selic chegue a 9%, é um nível “que nos dá conforto para continuar com nossas reformas e a trajetória de redução da dívida / PIB”, afirmou.

Ele mostrou gráficos de confiança empresarial, que ainda são elevados. Ele também trouxe outros indicadores em alta, como fluxo de veículos pesados ​​e índices de mobilidade. Além disso, a ocupação no setor informal, que havia sido o mais afetado pela pandemia, aumentou.

Outro motivo apontado para os cortes nas projeções de crescimento é a deterioração do quadro fiscal. “Como piorou o lado fiscal?” ele disse. “O governo de Jair Bolsonaro será o primeiro a terminar com um nível de gastos mais baixo do que no início como proporção do PIB”, disse ele. O mercado melhorou em R $ 9,1 bilhões sua projeção para o resultado primário entre outubro de 2020 e setembro de 2021.

O governo aposta na recuperação do setor de serviços como um dos impulsionadores para 2022. Sachsida citou a volta das aulas presenciais como um fator que deve melhorar esse segmento da economia. O outro elemento é o investimento privado, como os previstos nos contratos de concessão de infraestruturas já assinados.

O efeito dos ruídos pré-eleitorais sobre o crescimento vai depender do discurso do dirigente na disputa, afirmou o secretário. Se ele disser que “nacionalizará tudo, jogará fora o teto de gastos, dará reajuste a todos”, o impacto será negativo, afirmou. “Essa é a minha leitura. Se, por outro lado, o dirigente disser que é importante consolidar a política fiscal, privatizar, abrir a economia e aumentar as reformas pró-mercado, o impacto será positivo ”.

Voltar ao Topo