Óleo e Gás

Exportações de etanol caem em janeiro

etanol

As exportações de etanol do Brasil caíram em janeiro em relação ao ano anterior, diante do encerramento da arbitragem para os Estados Unidos, o que prejudicou a competitividade do biocombustível do país.

As exportações de etanol atingiram 107.601m³ no mês passado, queda de quase 44pc em relação a janeiro de 2021, segundo dados divulgados pelo Ministério da Economia.

Os volumes foram 46pc menores do que em dezembro, quando o Brasil exportou aproximadamente 200.000m³. As exportações tendem a cair durante o primeiro trimestre do ano, em meio à diminuição da oferta causada pelo fim da moagem de cana-de-açúcar na região Nordeste e início do período de entressafra.

No ano passado, a produção de etanol também foi afetada por geadas e pela pior seca em quase um século, causando escassez da cana-de-açúcar disponível para processamento.

A Coreia do Sul recebeu 52pc dos volumes exportados em janeiro, seguida pela Holanda, com 23,8pc, e pelos EUA, com 18,4pc.

A Coreia do Sul se tornou o maior mercado de exportação do Brasil no ano passado, impulsionada pelo aumento da demanda por etanol para produção de produtos como higienizadores de mãos. Os EUA, que anteriormente ocupavam a primeira posição, continuam sendo um dos principais destinos do etanol brasileiro, mas sua participação de mercado caiu significativamente desde o início da pandemia em 2020.

As importações de etanol também foram menores em janeiro. Os volumes caíram 70pc, para 22.694 m³ no mês passado, ante 77.648m³ um ano antes.

O Paraguai foi o principal fornecedor, representando 66pc das entregas, enquanto os EUA entregaram 33pc do total de importações.

Voltar ao Topo