Óleo e Gás

Clima reduz produção de etanol no Brasil

etanol

O clima atípico deste ano pode reduzir a produção da safra 2021-22 de etanol em 16pc em relação à temporada anterior, segundo números divulgados nesta terça-feira pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A queda pode ser creditada às geadas e à seca que atingiram os principais estados produtores ao longo do ano, o que também elevou os preços do biocombustível, segundo a Conab.

O etanol hidratado, vendido como E100 na bomba, deve refletir a crise da queda na produção. A produção de hidratado está estimada em 15,1 milhões de m³, queda de 26pc comparado com a temporada anterior. Já o etanol anidro – utilizado na mescla da gasolina – deve atingir 9,69 milhões de m³, alta de 4pc ante um ano antes, estima a Conab.

A Conab prevê a moagem de 568,43 milhões de t de cana-de-açúcar durante a safra, uma queda de 13pc na comparação anual, enquanto a produção de açúcar deve totalizar 33,92 milhões de t, 17pc abaixo da temporada anterior.

Em julho, as temperaturas caíram, geando por várias noites seguidas em importantes partes do Centro-Sul, a principal área produtora de cana-de-açúcar do país. Aliada à seca em andamento – a pior em quase um século –, a produtividade de quase todas as safras caiu.

Ainda sim, a atual escassez de matéria-prima para processamento não levou a grandes mudanças no mix de produção, uma vez que as usinas se beneficiaram dos altos preços da commodity, o que compensou as perdas.

“Houve algumas modificações no planejamento inicial provocado pela menor produtividade dos canaviais, mas, na média, foram ajustes para atendimento de contratos que já estavam firmados, ocorrendo o direcionamento de mais cana para produção de açúcar, em detrimento do etanol”, informou a Conab.

Perspectivas para o etanol de milho

O etanol de milho pode desempenhar um papel fundamental na compensação da queda da produção à base de cana de açúcar, de acordo com a projeção da Conab. Espera-se que a produção de etanol de milho aumente para 3,47 milhões de m³, um aumento de 14pc em relação ao ano anterior.

A produção de etanol hidratado a partir do milho deve crescer para 972.540m³, alta de 4,2pc em relação ao ano anterior, enquanto a produção de anidro deve atingir 2,50 milhões de m³, 19pc acima dos níveis do ano anterior.

O biocombustível à base de milho aumentou sua participação na mistura de etanol do país nos últimos anos, principalmente como resultado do aumento da capacidade de produção concentrada no Centro-Oeste do país, em Mato Grosso e Goiás.

Voltar ao Topo