Energia

Pior seca do Brasil em 91 anos é uma boa notícia para o GNL

gnl

O Brasil está importando tanto gás natural liquefeito (GNL) este ano que os volumes estão próximos aos níveis normalmente vistos em países da Europa e da Ásia, à medida que o sistema elétrico do país sul-americano enfrenta a pior seca em quase um século.

O mix de eletricidade do Brasil é fortemente dependente da energia hidrelétrica, que respondeu por mais de 75 por cento da geração de eletricidade em 2020, de acordo com dados da Agência Internacional de Energia (IEA).

O Brasil tem a maior capacidade hidrelétrica instalada da América do Sul e responde por dois terços da capacidade hidrelétrica total do continente.

Mas este ano, o Brasil, o país mais populoso da América do Sul, está enfrentando sua pior seca em 91 anos e está lutando para manter as luzes acesas com energia hidrelétrica.

O GNL no Brasil

No ano passado, o gás natural representou apenas 6,2% do mix de geração de eletricidade, de acordo com os dados da IEA, mas em meio à seca não vista há décadas, o Brasil agora está se voltando para mais unidades de energia a gás. Isso levou a importações recordes de GNL.

Nos últimos seis meses, o Brasil importou até 34 cargas de GNL dos Estados Unidos, de acordo com dados de embarque compilados pela Bloomberg . Os volumes de exportação dos EUA para o Brasil começaram a bater recordes mensais após setembro de 2020, mostram os dados da EIA .

As chuvas no Brasil durante o período de setembro de 2020 a abril de 2021 foram as mais baixas desde que os registros do governo começaram em 1931, observou Argus.

Em 2021, o Brasil provavelmente importará uma quantidade recorde de GNL devido à seca e novos projetos de GNL para energia se tornando operacionais no país, de acordo com estimativas da Argus.

O Brasil ultrapassou outros países da região, como Chile e até México, nas importações de GNL até agora neste ano, mostraram dados da Bloomberg.

A demanda continua forte, já que a estatal brasileira Petrobras quer comprar no mercado à vista dois carregamentos de GNL para julho e outros dois para agosto, disseram traders com conhecimento da licitação à Bloomberg.

Voltar ao Topo