Política

Votação do Brasil em 2022 é entre ‘fascismo e democracia’, alerta Lula

A eleição presidencial de 2022 no Brasil será entre “fascismo e democracia”, disse o ex-líder esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva , enquanto pondera sobre a montagem de um desafio contra o presidente Jair Bolsonaro.

Lula, 75, liderou o país latino-americano entre 2003 e 2010, introduzindo medidas sociais populares que tiraram milhões da pobreza. Mas o político do Partido dos Trabalhadores caiu em desgraça em 2017, quando foi condenado por corrupção e depois preso por quase dois anos. Suas condenações o impediram de disputar a eleição presidencial de 2018 contra o Bolsonaro.

Mas o Supremo Tribunal Federal anulou as condenações no início deste ano, abrindo caminho para ele tentar garantir um terceiro e último mandato, já que o líder brasileiro e as pesquisas atualmente o colocam na liderança.

O ex-líder acusa Bolsonaro de “genocídio” por ter lidado com a pandemia COVID-19. O Brasil tem o segundo maior número de mortes no mundo depois dos Estados Unidos, com mais de 530.000 vidas perdidas desde o início da crise.

Bolsonaro, um populista de extrema direita, é um cético do COVID-19 e inicialmente considerou o vírus “uma pequena gripe”. Ele também contradisse regularmente as autoridades de saúde sobre a necessidade de medidas de distanciamento social e foi criticado pela estratégia de compra de vacinas do país, com promotores lançando uma investigação contra ele na semana passada por abandono do dever sobre a aquisição de vacinas feitas na Índia.

Para Lula, a ascensão de Bolsonaro ao poder “é fruto de uma mentira, de uma farsa”. Acusa o atual morador do Palácio da Alvorada de ter mentido “descaradamente” durante a campanha eleitoral.

“Então, de fato, o povo tomou uma decisão – na minha opinião – errada de votar no Bolsonaro, mas esse é o risco da democracia, esse é o risco do processo eleitoral”, disse Lula ao Euronews para Annelise Borges.

“A polarização no Brasil é diferente agora. Não é entre dois lados, um direito e um esquerdo. A polarização no Brasil é entre fascismo e democracia. Represento a democracia porque sou de um partido democrático com uma história de governação muito democrática. E o Bolsonaro representa o fascismo. Então é isso que está em jogo. É uma verdadeira polarização ”, continuou ele.

Lula, por sua vez, descartou possíveis preocupações com essa idade.

“Achei que aos 75 anos seria velho, mas descobri que sou jovem aos 75. E depois que (Joe) Biden, com 78 anos, correu e venceu nos Estados Unidos … pensei, por que não correr no Brasil ”, disse ele.

Disse ao Euronews que ainda não tomou a decisão final de concorrer, mas que o fará no final do ano.

“E se o PT (Partido dos Trabalhadores) quiser – e outros partidos aliados concordarem – estou totalmente disponível para ser candidato a presidente do Brasil e recuperar o Brasil, fazer o Brasil voltar a crescer e colocar o Brasil no cenário internacional como um país líder, como era quando eu governava ”, disse ele.

Voltar ao Topo