Economia

Vinci compra terminal portuário no Paraná

vinci porto portal parana

A Vinci Partners acertou a compra do Porto Pontal, terminal portuário paranaense que pertencia ao JCR, grupo do empresário curitibano João Carlos Ribeiro. O fundo investirá R $ 3 bilhões em etapas para concretizar um projeto que visa ser um dos mais modernos terminais de contêineres da América do Sul. O valor do negócio não foi divulgado.

José Guilherme Souza — Foto: Luciana Whitaker/Valor

José Guilherme Souza — Foto: Luciana Whitaker/Valor

A aquisição é o primeiro investimento da Vinci dentro da estratégia de transporte e logística do negócio de infraestrutura da gestora de ativos. “Há muito tempo buscamos ativos nesse segmento. Concorremos por aeroportos, analisamos ativos rodoviários e portuários e chegamos a um acordo sobre o Porto Pontal, uma obra que desejávamos há muito tempo ”, disse José Guilherme Souza, sócio e chefe de infraestrutura da Vinci. “O projeto tem o mérito da localização estratégica e profundidade relevante, sem a amarração de ser um terminal de porto público.”

A capacidade do Porto Pontal na primeira fase, que deve estar concluída em cerca de quatro anos, será de 1,5 milhão de TEUs (unidades equivalentes de contêineres de 20 pés). Na fase final, esse volume dobrará para 3 milhões de TEUs. O Porto Pontal é um projeto que o JCR vem tentando desenvolver há quase uma década, em meio a lutas por licenças, regulamentações e financiamentos. A Vinci assumirá com esta etapa já concluída e um projeto pronto para a fase de construção.

“Nossa próxima aquisição provavelmente estará ligada à privatização de uma autoridade portuária”, disse o executivo. A Vinci cogita participar do leilão da Codesa, no Espírito Santo, que deve ser um dos primeiros – uma equipe analisa há quatro meses. O fundo também está particularmente interessado na privatização dos portos de Santos e São Sebastião.

A Vinci traçou três caminhos para avançar em infraestrutura e tem participado de licitações nos últimos dois anos. Além de transporte e logística, também buscou ativos em saneamento e energia elétrica. “O setor elétrico é historicamente relevante para a Vinci, desde a primeira aquisição, no início dos anos 2000, da Cemar. Somos muito ativos em transmissão e geração de energia renovável, o que deu origem à nossa equipe de infraestrutura ”, disse Souza.

No saneamento básico, a empresa chegou a licitar consórcio para as concessões de Maceió e Rio de Janeiro, mas não ganhou. A empresa já está em negociações com outros players para somar forças nas próximas concessões. “Vamos ter uma pegada relevante neste campo. É uma questão de tempo. Os desafios, a necessidade de capital e a diferença que uma gestão eficiente pode fazer é muito parecida com o que aconteceu em energia, mas temos que resolver a equação risco-retorno ”, disse ele, referindo-se aos altos prêmios verificados nos últimos leilões.

Voltar ao Topo