Economia

Vale faz parceria com clientes, fornecedores para reduzir emissões

vale

A Vale está avançando em sua estratégia de descarbonização por meio de parcerias com clientes, que são grandes siderúrgicas globais. A mineradora mapeou 20 clientes que representam 40% de suas emissões de carbono no chamado “escopo 3”, que considera a cadeia de clientes e fornecedores (escopos 1 e 2 estão relacionados às próprias emissões da empresa nas operações e energia consumo).

Até o momento, a Vale assinou carta de entendimento com nove clientes para o uso de alternativas, como produtos à base de biomassa e briquete verde, aplicados nos altos-fornos de suas fábricas e que reduzem a emissão de gases poluentes. Entre esses clientes estão as siderúrgicas Ternium, Hyundai, Posco e Baowu.

Na cadeia de suprimentos, a empresa firmou parceria com o Carbon Disclosure Project (CDP), organização internacional sem fins lucrativos que reúne 9.600 empresas em 90 países, com o objetivo de incentivar os fornecedores a reportar dados de gestão, governança, indicadores, riscos e oportunidades relacionados às mudanças climáticas. A parceria está no segundo ano e em 2021 foram convidados 496 fornecedores, dos quais 375 participaram.

Vivian MacKnight — Foto: Divulgação

Vivian MacKnight — Foto: Divulgação

“Os clientes estão começando a sentir que terão que reduzir suas emissões”, afirma Vivian MacKnight, gerente de Mudanças Climáticas da Vale. Quando a Vale iniciou esse trabalho com fornecedores, muitos “nem sabiam o que eram as emissões de gases de efeito estufa”, diz ela. “Vimos que, para escolher produtos com menor pegada de carbono, teríamos que transformar a cadeia.”

A meta da empresa para as emissões do escopo 3, anunciada em 2020, é reduzir o volume em 15% até 2035, o que significa um corte de 90 milhões de toneladas de dióxido de carbono em relação ao que foi emitido em 2018. Para efeito de comparação, esses 90 milhões de toneladas equivalem, segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), às emissões do setor elétrico chileno em 2019.

O maior desafio da mineradora brasileira é justamente reduzir não só as próprias emissões de gases de efeito estufa, mas também de fornecedores e clientes responsáveis ​​por 98% do carbono que a empresa, direta ou indiretamente, contribui para liberar no. atmosfera. A Vale disse que quer liderar a indústria de mineração na busca pela redução das emissões de carbono.

As emissões relacionadas à cadeia de valor são o maior desafio não só para a Vale, mas para toda a indústria de mineração. As siderúrgicas, clientes finais dos principais produtos das mineradoras, são consideradas as maiores emissoras de carbono do setor industrial. E 94% das emissões do escopo 3 da Vale são de produtos vendidos, enquanto 3% vêm de embarques, 2% de carvão e 1% de fornecedores.

As metas da Vale para reduzir as emissões de carbono fazem parte de uma cultura que ganhou impulso após a tragédia de Brumadinho, em janeiro de 2019, quando o rompimento de uma barragem de rejeitos deixou 270 mortos.

A Sra. MacKnight afirma que Brumadinho foi um ponto de inflexão e que a liderança da empresa está realmente comprometida em mudar a estratégia ambiental, social e de governança (ESG). “A transformação cultural não acabou. Isso continua ”, diz ela. “Não queremos nos comprometer com mais do que podemos entregar. Os objetivos serão refletidos conforme amadurecemos nas tecnologias. Temos um problema de reputação que precisamos recuperar ”, diz ela.

Em relação aos escopos 1 e 2, a meta da Vale é zerar as emissões líquidas de carbono até 2050. Para isso, investirá entre US $ 4 bilhões e US $ 6 bilhões até 2030 para reduzir as emissões dos escopos 1 e 2 em 33%, alinhado ao Acordo de Paris . A empresa possui um portfólio de mais de 35 iniciativas para atingir a meta dos escopos 1 e 2 até 2030.

Voltar ao Topo