Offshore

Uma plataforma no meio do caminho

O Píer Mauá, no Rio de Janeiro, solicitou à Antaq e à Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) que a sonda semissubmersível Gold Star, da Queiroz Galvão Óleo e Gás (QGOG), seja reposicionada para não interferir nas operações de seu terminal internacional de passageiros.

A empresa alega que a longa permanência de plataformas e navios fora de operação em áreas de interesse operacional impactará negativamente seu atendimento aos navios de cruzeiros, obrigando a atracações em áreas remotas do Porto do Rio e expondo passageiros a riscos.

As autoridades afirmaram, no entanto, que a Gold Star está em área autorizada e não precisará ser transferida para outro local.

“A plataforma está atracada em berço público, em total conformidade com o ordenamento interno da CDRJ e com anuência das demais autoridades intervenientes”, informou a CDRJ.

A QGOG declarou que cumpriu integralmente os requerimentos para atracação da sonda no cais público do Rio, contratando a Triunfo logística para prestação do serviço de operação portuária.

O Porto do Rio tem hoje duas plataformas e 30 embarcações de apoio marítimo em suas áreas de fundeio, dentro do limites previsto pelas cartas náuticas, de acordo com a CDRJ.

“Esse limite varia de acordo com o comprimento das embarcações fundeadas. No caso específico de plataformas de petróleo, o Porto do Rio de Janeiro conta com três pontos de fundeio”, explicou a companhia.

Em relação às embarcações de apoio marítimo especificamente, a CDRJ disse que procura deslocá-las para fundeadouros com menor profundidade para não afetar as operações dos usuários do Porto do Rio e terminais privativos da Baía de Guanabara.

Imagens de satélite mostram que há duas plataformas na entrada da Baía de Guanabara: o FPSO P-67, da Petrobras, que será instalado no campo de Lula Norte, e a sonda Ocean Valor, da Diamond Offshore, que iniciará contrato com a estatal em breve.

A Antaq disse, no entanto, que sua unidade regional (URERJ) desconhece outros pedidos para que unidades offshore paradas na região sejam reposicionadas.

Voltar ao Topo