Mineração

Tribunal do Brasil nega o pedido da mineradora Norsk Hydro para retomar a produção

Um tribunal brasileiro negou um pedido do fabricante norueguês de alumínio Norsk Hydro ASA para retomar operações completas em sua unidade Hydro Alunorte, informou o tribunal em um comunicado, no último recuo após acusações de contaminação da água na área.

A Norsk Hydro apelou para um tribunal superior depois que um juiz na semana passada ordenou à empresa reduzir a produção para metade na Alunorte. O complexo, localizado em Barcarena, no estado do Pará, no norte do Brasil, é a maior instalação de refinação de alumina do mundo.

A Hydro declarou a força maior em sua unidade Alunorte na sexta-feira após a ordem de cortar a produção.

Na segunda-feira, o juiz Leonam Gondim da Cruz Júnior decidiu não conceder uma liminar que permitiria à Hydro retomar operações completas, citando possíveis danos ambientais na região.

As autoridades locais acusaram Alunorte de contaminar o abastecimento de água quando fortes chuvas atingiram a região. A Hydro disse que não encontrou nenhuma evidência de tal poluição.

Um instituto federal vinculado ao Ministério da Saúde do Brasil disse que tem indícios de transbordamento dos efluentes da Alunorte, causando altos níveis de alumínio na água.

O presidente-executivo da Norsk Hydro, Richard Brandtzæg, que viajou para o Brasil para lidar com o problema, disse à Reuters na segunda-feira que a empresa não tinha certeza quando seria capaz de retomar as operações completas.

Reportagem de Marcelo Teixeira editada por Susan melo )

Voltar ao Topo