Offshore

Total desiste de operar na bacia do Amazonas

A supermaior francesa Total desistiu da operação de cinco blocos de exploração de petróleo e gás na costa do Brasil, relata a Kallanish Energy .

A empresa disse, em comunicado divulgado na segunda-feira, que notificou seus sócios Petrobras e BP em 19 de agosto sobre sua renúncia na Bacia da Foz do Amazonas, uma área ambientalmente sensível.

Em 2018, o órgão regulador do meio ambiente, Ibama, rejeitou pela quinta e última vez o pedido da Total de autorização para perfurar a bacia. A agência também negou o apelo da Total e afirmou que a exploração de petróleo na área colocaria em risco os recifes e a biodiversidade local.

A Total não explicou o motivo de sua decisão de renunciar ao status de operadora e se continuaria a ser parceira nos blocos FZA-M-57, FZA-M-86, FZA-M-88, FZA-M-125 e FZA-M-127.

Agora que a decisão foi informada à ANP, órgão regulador do petróleo, a Total precisará continuar monitorando todos os processos regulatórios em nome de seus parceiros por um período de seis meses.

Nesse período, um novo operador será nomeado e as atividades operadas serão entregues.

A Total atualmente participa de 24 blocos O&G brasileiros, dos quais 10 como operadora. As atividades do grupo no país também incluem gás, renováveis, lubrificantes, produtos químicos e distribuição.  

Voltar ao Topo