Energia

Subsidiária da Rosatom construirá usina nuclear na Finlândia

Subsidiária da Rosatom construirá usina nuclear na Finlândia

Segundo o CEO, Toni Hemminki, a subsidiária da Rosatom, Fennovoima, pretende construir a usina nuclear Hanhikivi 1 na cidade de Pyhäjoki, no norte da Finlândia, a subsidiária está no aguardo da liberação para a construção que ocorrerá e 2021. Se a construção iniciar em 2021 a operação deverá ser realizada em 2028.

De acordodo com o CEO da subsidiária, a potência da usina chegaria a de 1200 megawatts, usando um reator russo VVER-1200:  “São 9 terawatts-hora por ano – mesma usina, mesmo projeto, mesmo fornecedor, mesmo proprietário – a única coisa que mudou foi o cronograma.  A fase de licença está prevista para ser concluída em 2021. Basicamente, quando você obtém a licença de construção, você pode começar a construir prédios relacionados a energia nuclear e pode começar a fabricar equipamentos relacionados à energia nuclear. Assim, planejamos obter a licença de construção em 2021 e depois iniciar a construção imediatamente ”.

Hemminki ainda comentou sobre a instalação da usina na Finlândia e a vantagem para a Rosatom: “Podemos ser o único cliente da Rosatom que é comercial. Normalmente, eu diria que os clientes da Rosatom são países ou são totalmente detidos pelo país ou pelo governo, então são empresas totalmente estatais. No nosso caso, somos uma empresa comercialmente estabelecida e operacional, por isso somos um tipo de cliente diferente para eles ”.

Ainda completou,  “Nós temos ministérios, temos um corpo regulador, e temos um diploma de lei e requisitos de segurança nuclear, bem como da parte reguladora. Então eles estão em circunstâncias diferentes do que com os países que estão apenas estabelecendo toda essa infraestrutura.”

Com a instalação da usina nuclear na Finlândia, as metas relacionadas as mudanças climáticas poderiam ser alcançadas, segundo o CEO da Fennovoima , “Serão 9 terawatts-hora de eletricidade sem CO2 para a Finlândia, então acho que temos uma contribuição bastante significativa para isso. E eu acho que no geral na Finlândia as pessoas estão começando a conectar a luta contra a mudança climática e o papel da energia nuclear nela ”.

Voltar ao Topo