Economia

Sem falar na Caixa, Guedes diz que governo brasileiro planeja abertura de capital do “banco digital criado para auxílio emergencial”

Como vender ativos pode ajudar a revitalizar a economia brasileira

Sem falar da Caixa Econômica Federal, o ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira (20), que o governo brasileiro “planeja uma abertura de capital do banco digital criado para conceder o auxílio emergencial COVID-19”.

A ajuda, principal impulso do governo para enfrentar a crise do coronavírus, é paga exclusivamente pela Caixa desde abril.

Com duração até dezembro, representará um gasto total do governo federal de R$ 321,8 bilhões.

“Digitalizamos 64 milhões de pessoas. Quanto vale um banco com 64 milhões de pessoas? pessoas de baixa renda, mas pessoas que bancaram pela primeira vez, então serão leais para o resto da vida ”, disse Guedes na Conferência Global do Milken Institute,“Estamos planejando um IPO (oferta pública inicial de ações) desse banco digital que produzimos em menos de seis meses”, acrescentou o ministro, sem esclarecer se se referiu à Caixa ou apenas a uma unidade do banco estatal.

Guedes defendeu que este é um bom momento para vir ao Brasil, após enfatizar que não haverá abandono do teto de gastos (limite imposto pelo governo de Michel Temer para conter o aumento do déficit fiscal do país), com o qual o governo segue engajado em, a par de sua agenda de modernização dos marcos regulatórios, que criará um mecanismo de hedge cambial para investidores de longo prazo.

Guedes disse ainda que o Brasil deve ingressar na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em um ano, acrescentando que o país já cumpre dois terços dos requisitos necessários para isso.

O ministro destacou ainda que o Produto Interno Bruto (PIB) do país deve cair 4% este ano, ou em quatro e um pouco no máximo, uma previsão um pouco mais otimista do que a queda de 4,7% oficialmente feita pelo Ministério da Economia.

Voltar ao Topo