Economia

Segundo Bolsonaro aumento de incêndios na Amazônia é ‘mentira’

O presidente, Jair Bolsonaro, negou nesta terça-feira (12), a existência de incêndios na floresta amazônica, chamando-o de “mentira”, apesar de dados produzidos por seu próprio governo mostrarem que milhares de incêndios estão ocorrendo na região.

Bolsonaro negou no ano passado um aumento de incêndios que provocou um clamor global, com o populista de direita trocando farpas com o presidente francês Emmanuel Macron, e outros líderes mundiais.

Os comentários do presidente nesta terça-feira (12), ocorreram no momento em que testemunhas da Reuters na remota cidade amazônica de Apui observaram a fumaça cobrindo o horizonte em todas as direções durante o dia e grandes incêndios deixando o céu brilhando à noite.

Os incêndios na Amazônia brasileira no mês de agosto atingiram um recorde de nove anos em 2019 e este mês até agora parece ainda pior, mais de 10.000 incêndios foram registrados nos primeiros 10 dias de agosto, um aumento de 17% em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com dados do Inpe, agência nacional de pesquisas espaciais do país.

Mas em um discurso para outros líderes sul-americanos na terça-feira, Bolsonaro desafiou representantes estrangeiros a sobrevoar a Amazônia dizendo que viajando de avião das longínquas cidades de Boa Vista para Manaus, você não veria uma única chama.

“Eles não vão encontrar nenhum ponto de fogo, nem um quarto de hectare desmatado”, disse o ex-capitão do Exército em reunião de integrantes do Pacto de Letícia, acordo entre países amazônicos para proteger a floresta tropical.

“Essa história de que a Amazônia está pegando fogo é uma mentira e devemos combatê-la com números reais”, disse.

Bolsonaro interferiu no Inpe depois que ele divulgou dados desfavoráveis sobre o desmatamento na Amazônia no ano passado, demitindo o chefe da agência, Ricardo Galvão, que defendia os números de sua agência que mostravam destruição crescente, em seu discurso, argumentou que o Brasil tem se mostrado capaz de proteger sozinho a Amazônia porque a maior parte da floresta ainda está de pé.

Segundo ele, a Amazônia é uma floresta úmida que se preserva e não pega fogo. A mídia e governos estrangeiros estão apresentando uma falsa narrativa sobre a Amazônia, disse ele.

Os especialistas dizem que os incêndios não são um fenômeno natural na floresta tropical, mas geralmente são provocados pelo homem para limpar terras desmatadas para pastagem, o desmatamento aumentou 34,5% no acumulado de 12 meses até julho, em comparação com o mesmo período do ano anterior, o desmatamento caiu em julho, o primeiro declínio em 15 meses, um ponto enfatizado por Bolsonaro.

A pressão estrangeira está aumentando sobre o Brasil para proteger a maior floresta tropical do mundo, um ecossistema vital para preservar a mudança climática por causa da grande quantidade de dióxido de carbono que absorve.

Os investidores globais que administram mais de US $ 2 trilhões ameaçaram retirar seus investimentos dos frigoríficos, comerciantes de grãos e títulos do governo do Brasil se o governo Bolsonaro não tomar medidas contra a destruição da Amazônia.

O Presidente enviou militares para combater incêndios e desmatamento desde maio, com as forças armadas trabalhando com o órgão ambiental Ibama para combater incêndios perto de Apuí, segundo testemunhas da Reuters.

Com informações do Reuters

Voltar ao Topo