Offshore

Schlumberger deverá cuidar da construção do Campo de Bacalhau

campo de bacalhau

A Equinor recorreu à Subsea Integration Alliance LLC, composta pela Subsea 7 e OneSubsea, uma empresa da Schlumberger, para a engenharia, aquisição, construção e instalação de sistemas de produção submarinos e dutos para o projeto Bacalhau de US $ 8 bilhões na costa do Brasil.

A uma lâmina d’água de 2.050 m na área do pré-sal da Bacia de Santos, Bacalhau é o primeiro projeto SPS e SURF integrado do Brasil. O desenvolvimento incluirá 19 árvores e equipamentos submarinos associados, incluindo cabeças de poço submarinas, controles submarinos e sistemas de conexão e um riser de workover de conclusão completa, disse a Schlumberger em um comunicado à imprensa em 15 de junho.

O escopo SURF compreende risers rígidos, linhas de fluxo e umbilicais, acrescentou a empresa.

“Trabalhamos em estreita colaboração com a Equinor desde o prêmio FEED em 2020”, disse o CEO da Subsea Integration Alliance Stuart Fitzgerald no comunicado. “Agora, na fase de EPCI, apoiaremos a Equinor na maximização do potencial do campo de Bacalhau por meio do portfólio líder de tecnologias e serviços da Subsea Integration Alliance e uma abordagem de ‘uma equipe’ para a entrega do projeto.”

A gestão do projeto e a engenharia de detalhamento ocorrerão no Rio de Janeiro. As atividades offshore começarão em 2022 usando os navios de construção leve, flex-lay e reel-lay da Subsea 7.

A Equinor atua como operadora do empreendimento. Seus sócios são Exxon Mobil Corp., Petrogal Brasil e Pré-sal Petróleo SA.

Voltar ao Topo