Notícias

Samarco revida credores em batalha pelo desastre em barragem

samarco

Samarco, produtora de ferro responsável por um dos piores desastres ambientais do Brasil, acusou os credores de uma “tentativa infeliz” de interromper uma reestruturação que, segundo a mineradora, salvaguardará milhares de empregos.

As críticas da Samarco, uma joint venture entre os grupos globais de mineração Vale e BHP, vêm depois que advogados de um grupo de credores, incluindo a gestora de ativos cotada em Londres Ashmore e o grupo norte-americano Canyon Partners, classificaram esta semana a reestruturação proposta como “absurda”.

De acordo com o plano, a Samarco deu aos detentores de títulos e outros credores a opção de receber apenas 15 por cento do valor de face das notas em 2041, ou então trocar a dívida por uma participação no negócio. Os credores dissidentes devem R $ 22 bilhões ($ 4,3 bilhões).

A batalha entre a Samarco e seus credores ocorre mais de cinco anos após o rompimento da barragem de rejeitos de Fundão, no complexo mineiro de Germano, que matou 19 pessoas e poluiu uma das maiores bacias hidrográficas do Brasil com uma torrente de resíduos de mineração.

Sobrecarregada com cerca de US $ 10 bilhões em empréstimos, a Samarco no início deste ano entrou com pedido de  recuperação judicial , um processo supervisionado por tribunais no Brasil semelhante à proteção contra falência.

O grupo de credores, que inclui o especialista em dívidas inadimplentes Solus Alternative Asset Management, alegou que o plano tem como objetivo proteger a BHP e a Vale das obrigações decorrentes do desastre de novembro de 2015. Os credores respondem pela maior parte da dívida de terceiros da Samarco.

Advogados dos credores, que detêm em sua maioria títulos e alguns empréstimos para exportação, consideraram “absurda” a proposta de redução de 85% em suas dívidas, de acordo com documento apresentado esta semana a um tribunal do estado de Minas Gerais. , onde a Samarco está sediada.

Nos autos, também acusaram a Vale e a BHP de abusarem de sua posição para extrair valor em detrimento dos credores, argumentando que os dois sócios da joint venture só deveriam receber qualquer ressarcimento da Samarco após a liquidação de suas outras dívidas.

Quase metade das dívidas da Samarco são devidas à Vale e à BHP, que estarão sujeitas aos mesmos descontos e prazos de amortização.

A Samarco disse em resposta ao processo judicial: “Esta é mais uma tentativa infeliz de alguns credores financeiros de interromper o processo de recuperação judicial e confundir a opinião pública”. A empresa insistiu que estava preparada para negociar “apesar das inúmeras disputas e acusações” dos credores financeiros.

“O plano apresentado foi elaborado de acordo com a atual capacidade financeira da empresa” e teve como objetivo a preservação de mais de 6.000 empregos diretos e indiretos, bem como as contribuições fiscais, acrescentou.

A Samarco disse que o pedido de reestruturação supervisionada pelo tribunal era necessário para evitar que os credores afetassem sua capacidade de operar e fazer pagamentos à Renova, uma fundação criada para supervisionar as reparações pelo desastre em um acordo com o Ministério Público brasileiro.

A Samarco só retomou a produção em dezembro  e sua produção deve ser inferior a um terço do total antes do desastre da barragem. No entanto, o grupo está vendendo seu minério de ferro em um mercado em expansão.

Os preços do ingrediente siderúrgico atingiram um recorde histórico este ano, ajudando os títulos inadimplentes da Samarco a recuperar grande parte de seu valor. Eles estão sendo negociados a quase 80 centavos por dólar, ante menos de 40 centavos no início de 2020, quando a pandemia estourou.

Ivan Apsan, vice-presidente de assuntos jurídicos e corporativos da BHP Brasil, descreveu os termos da Samarco como “justos e razoáveis”.

“[Eles] apresentam a melhor solução que permite à Samarco. . . continuar operando, contribuindo para a economia local de Minas Gerais e do Espírito Santo e financiando a Fundação Renova ”, afirmou.

A Vale manifestou apoio ao plano de reestruturação, que descreveu como “construído de acordo com a capacidade da empresa”.

Ashmore e Canyon Partners não quiseram comentar. Solus não respondeu a um pedido de comentário.

Voltar ao Topo