Petróleo

Saipem pede que trabalhadores na Itália fiquem em casa em meio a surto de coronavírus

A empresa italiana de serviços de campos petrolíferos offshore Saipem ativou medidas de segurança para proteger seus trabalhadores, após o surto de coronavírus no país.

De acordo com um relatório da Reuters, a Itália é o país mais afetado da Europa, com casos de coronavírus aumentando no sábado para mais de 150.

O relatório, publicado na segunda-feira de manhã, dizia ainda que, com três mortes relatadas até agora, o governo decidiu fechar as áreas mais atingidas nas regiões norte da Lombardia e Veneto.

Os relatórios subsequentes da República na segunda-feira à tarde alegaram que seis pessoas morreram na Itália, com 224 casos confirmados.

A Saipem divulgou na segunda-feira de manhã que desde sexta-feira, 21 de fevereiro, todos os funcionários residentes nos municípios indicados pelas regiões envolvidas foram convidados a ficar em casa, evitando interações sociais.

“A estrutura de saúde e medicina ocupacional da Saipem está em contato com todas as pessoas envolvidas por meio de um canal de comunicação direta para fornecer indicações rápidas e a melhor assistência possível”, disse Saipem.

Não está claro quantos funcionários são afetados pela situação. Em 30 de junho de 2019, a Saipem tinha cerca de 32.000 funcionários no total, dos quais 5.693 italianos.

Missões internacionais em áreas de risco canceladas

O provedor de serviços de campos petrolíferos também disse que as áreas de trabalho de seus escritórios em Milão foram higienizadas durante o fim de semana de 22 e 23 de fevereiro, com produtos viricidas e bactericidas específicos. A mesma ação será repetida diariamente em todos os locais de trabalho da Saipem, informou a empresa.

Saipem também disse que todas as missões no exterior, de e para áreas de risco, são canceladas e reduzidas ao mínimo.

Além disso, através da OMS (Organização Mundial da Saúde), a possível ocorrência de outras limitações contra viajantes de e para a Itália é monitorada e será imediatamente notificada, informou a empresa.

“… a empresa ativou uma avaliação com o objetivo de reduzir a presença física no escritório, mantendo a continuidade dos negócios. Tomaremos o cuidado de nos comunicar e atualizar, tanto interna quanto externamente, em tempo real sobre os desenvolvimentos da situação”, Saipem adicionado.

Segundo a Reuters, os mercados de ações da Europa sofreram a maior queda desde meados de 2016 na segunda-feira, devido ao aumento de casos de coronavírus na Itália, Coréia do Sul, Japão e Irã.

O mercado de ações de Milão caiu mais de 4,5% depois que um aumento nos casos do vírus deixou partes do norte industrial da Itália em confinamento virtual.

Voltar ao Topo