Economia

Saída da Ford lança sombra sobre a indústria automobilística brasileira

Ford
Rui Costa não escondeu a exasperação quando a Ford anunciou que estava fechando sua fábrica no Brasil, inclusive em sua Bahia, onde milhares de pessoas dependem da montadora norte-americana para trabalhar. “O Brasil pretende se tornar uma grande fazenda”, disse o governador do vasto estado da costa nordeste. “O que planejamos nos últimos cinco anos para aumentar os investimentos em tecnologia e industrialização?
Nada.” Os comentários de Costa refletem uma preocupação profunda que permeia a indústria automobilística do Brasil, cambaleando com a saída chocante da Ford em janeiro, após mais de um século de fabricação no país. Sem investimento adequado e prejudicada por vendas fracas e custos burocráticos pesados, a fabricação de automóveis no Brasil parece cada vez mais insustentável.
Executivos de automóveis tentam pintar um quadro rosado, apontando para o vasto potencial do mercado brasileiro, a gama de novos produtos em oferta e até mesmo frisos de prata para a pandemia do coronavírus, que tem empurrado mais pessoas para o transporte privado. Mas, para muitos observadores independentes, fatores estruturais significam – exceto uma rápida reviravolta econômica na maior economia da América Latina – que a escrita está na parede, especialmente quando o governo de Jair Bolsonaro começa a desfazer subsídios de longa data no valor de bilhões de dólares.
“Chega um ponto em que você acumula todas as restrições, todos os regulamentos, os ventos contrários, você acaba com uma situação que não dá mais jeito. Ou os países e regiões querem uma indústria automotiva ou não ”, disse Carlos Tavares, presidente-executivo da Stellantis, a recém-fundida Fiat Chrysler e PSA. Ele acrescentou que a retirada da Ford foi “um sinal de alerta” para o governo brasileiro. João Henrique Oliveira, executivo da Volvo no Brasil e presidente de uma associação de importadores de automóveis, disse de forma mais contundente: “[A saída da Ford] mostra realmente que o ambiente de negócios no Brasil é muito difícil, até hostil. Podemos ver outras marcas tomando a mesma decisão. ” Sem fabricantes nacionais, a fabricação de automóveis no Brasil foi durante décadas dominada por empresas ocidentais e japonesas.
Nos últimos anos, os fabricantes chineses fizeram incursões e muitos grupos suspeitos, como a Chery, podem fazer uma oferta pelas instalações da Ford. O setor, no entanto, não se recuperou totalmente de uma recessão oscilante em 2015 e 2016, prejudicada pelo alto desemprego e uma taxa de câmbio fraca que tornou as peças importadas exorbitantemente caras. “As marcas no Brasil estão sob forte pressão financeira. As fábricas no Brasil estão operando com 50% de sua capacidade instalada, o que é muito ruim ”, disse Oliveira. A saída da Ford segue outros cortes. A Mercedes disse em dezembro que fecharia uma unidade de produção, enquanto a Volkswagen demitiu no ano passado 1.300 funcionários em São Paulo.
O fraco desempenho do maior mercado da América Latina ocorre em um momento de reestruturação global mais ampla. À medida que as montadoras se concentram na Ásia e na mudança para veículos elétricos e autônomos, alguns analistas acreditam que o Brasil ficará para trás. “A reestruturação global tem um fator muito maior [na ameaça da indústria automobilística brasileira]”, disse André Roncaglia, professor de economia e especialista em motores da Universidade Federal de São Paulo. “Com a mudança para os carros elétricos e autônomos, toda a atenção está voltada para a Ásia e isso coloca o Brasil em uma posição vulnerável. “Não temos a capacidade de acompanhar esse movimento e, como sistema, não acho que estejamos prontos para seguir nessa direção sem mudanças profundas nos atuais esquemas de apoio oferecidos à indústria.”
Mas o país também tem que enfrentar problemas internos de longa data, especialmente o Custo Brasil – o custo extra envolvido em fazer negócios em uma economia historicamente enclausurada atormentada por burocracia complicada, logística e regras tributárias. “O Custo Brasil sempre torna os negócios uma equação delicada”, disse Oliveira, destacando que a Volvo emprega quatro vezes mais pessoas para lidar com as regras tributárias labirínticas do país do que na Europa. “É um sistema [tributário] que gera polêmicas e insegurança jurídica. Por mais que você saiba que está tentando fazer isso da maneira mais correta, ainda está sujeito a questionamentos e riscos. ” Desde sua eleição, Bolsonaro prometeu revisar o sistema tributário, mas tem pouco a mostrar a seu favor. O governo, no entanto, decidiu cortar os subsídios aos automóveis, o que, segundo os críticos, ajudou empresas não competitivas sem nenhum benefício em preços mais baixos para os consumidores. Quando a Ford anunciou sua saída, o presidente do Brasil acusou a empresa americana de apenas “querer subsídios”.

Letícia Costa, consultora automotiva do grupo de investimentos Prada Assessoria, disse que a indústria automobilística tem “potencial para trazer grandes ganhos econômicos e de inovação para o Brasil. Mas recebeu benefícios que foram mal projetados. ” As perspectivas para a indústria automobilística no país, porém, não são totalmente sombrias. Os executivos dizem que estão “cautelosamente otimistas” em relação ao ano que vem.

Eles veem o mercado sendo impulsionado por “produtos atraentes”, bem como pelas taxas de juros historicamente baixas do Brasil, que as empresas dizem que incentivam os consumidores a comprar carros em vez de economizar. “A recuperação do ano passado foi mais rápida do que esperávamos e no último trimestre o resultado das vendas foi semelhante a 2019. Esperamos que as vendas continuem se recuperando este ano”, disse um executivo da General Motors, cujo carro subcompacto Onix foi o carro mais vendido do Brasil em nos últimos seis anos. A empresa está lançando um investimento de US $ 2 bilhões em São Paulo, com foco em novos produtos e tecnologias para segurança e conectividade.
A Volkswagen também atingiu uma nota de alta, com seu chefe na América Latina dizendo à mídia local que a empresa esperava entre 10 e 12 por cento de crescimento no Brasil este ano. O Sr. Tavares disse que a Fiat Chrysler também tem “feito um trabalho estelar na América Latina”, com lucros saudáveis. Mas ele alertou que o Brasil continua frágil. “Não podemos continuar adicionando restrições. Chegará um momento em que não será mais administrável. ”
Voltar ao Topo