Offshore

Produção no pré-sal da Bacia de Santos completa 10 anos

Em maio, a Petrobras completou dez anos de produção no pré-sal da Bacia de Santos, com indicadores de eficiência e produtividade acima da média da indústria offshore. São 16 plataformas e mais de 150 poços operando somente nesse pólo, que respondem por 90% de toda a produção brasileira do pré-sal. Custos de extração abaixo de US $ 7 o barril e alta produtividade de campo elevam o pré-sal a uma das fronteiras mais competitivas do setor.

A produção acumulada da empresa chegou a 2,5 bilhões de barris de óleo equivalente nessa camada em apenas uma década, volume que corresponde a todas as reservas provadas na Argentina, por exemplo. Hoje, o pré-sal das bacias de Santos e Campos já responde por aproximadamente 60% da produção nacional.

Em abril, a produção do pré-sal da Petrobras atingiu um novo recorde: uma média mensal de 1,94 milhão de barris de óleo equivalente por dia, atingindo o pico diário de produção de 2,07 milhões de barris.

“As características únicas do pré-sal da Bacia de Santos, como a sua localização em águas ultraprofundas, a camada de sal que chega a 2 km de espessura e a distância de 300 km do litoral foram um desafio inédito para a Petrobras e a indústria. Mas dez anos depois do primeiro óleo de Tupi, não apenas desenvolvemos soluções inéditas para superar os desafios do pré-sal, utilizando a mais alta competência técnica, mas também verificamos sua viabilidade econômica e atingimos uma sucessão de registros. razões para comemorar essa data “, disse o diretor de Exploração e Produção da Petrobras, Carlos Alberto Pereira de Oliveira.

Visão futura

Nos últimos 11 meses, seis plataformas iniciaram operações no pré-sal da Bacia de Santos, cada uma com capacidade para produzir até 150.000 barris de petróleo por dia. As expectativas para os próximos anos são ainda mais promissoras, já que os projetos dessa camada são a principal frente de investimentos da empresa: das 11 plataformas previstas para os próximos cinco anos, sete serão instaladas na bacia do pré-sal da Bacia. Santos e um no pré-sal da Bacia de Campos, com uma previsão de contribuição da Petrobras de US $ 27 bilhões nos próximos cinco anos.

Além disso, em Campo de Mero, o FPSO Pioneiro de Libra, visando obter informações sobre o reservatório antes da implantação do sistema definitivo, já ultrapassou a marca de 60 mil barris de óleo equivalente por dia com apenas um poço interligado, indicando alto potencial futuro.

Parte do sucesso nessa região se deve à troca de experiências com grandes empresas do setor que trabalham em parceria com a Petrobras.

Voltar ao Topo