Economia

Produção industrial brasileira sobe 3,2% em agosto em ritmo desacelerado

A produção industrial no Brasil cresceu 3,2% em agosto, os números mostraram na sexta-feira (02), um pouco menos do que os economistas esperavam, uma vez que o setor continuou a se recuperar depois de uma paralisação estremecida no início deste ano devido a estritos bloqueios relacionados ao coronavírus.

Os números estão associados a outros indicadores que mostram que a indústria e a manufatura estão se recuperando mais rapidamente do que o setor de serviços dominante, elevando a economia no terceiro trimestre de sua quebra recorde no segundo.

Dito isso, a indústria ainda está significativamente mais fraca do que antes da crise e enfrenta ventos contrários nos próximos meses.

O aumento mensal de 3,2% na produção em agosto foi menor do que a estimativa mediana em uma pesquisa com economistas para um aumento de 3,4%, o aumento de julho foi revisado para cima de 8,0% para 8,3%.

O IBGE disse que a queda anual em agosto foi de 2,7%, mais do que a queda de 2,2% prevista em uma pesquisa.

A produção industrial continua com queda de 8,6% nos primeiros oito meses deste ano, mas ainda não recuperou totalmente a queda de 27% na atividade registrada em março e abril, informou o IBGE.

Dos 26 setores pesquisados, 16 registraram aumento na produção, ante 25 em julho, enquanto 10 tiveram queda na produção.

A produção de automóveis e autopeças cresceu 19,2%, o que significa que o setor cresceu nove vezes nos últimos quatro meses, mas ainda é 22% menor do que era antes da crise em fevereiro, disse o IBGE.

Outros desempenhos notáveis ​​foram o aumento de 3,9% na produção de gasolina e biocombustíveis e de 2,6% na mineração, disse o IBGE.

Entre as quatro amplas categorias pesquisadas, a produção de bens de capital cresceu 2,4% no mês, a de bens duráveis ​​18,5% e a de bens de consumo 2,9%, informou o IBGE.

O banco central revisou na semana passada suas perspectivas econômicas para 2020 e agora vê a indústria contraindo 4,7%, em vez de 8,5%, conforme previsto há três meses.

Voltar ao Topo