Offshore

Produção do Campo de Tupi da Petrobras atinge a marca de dois bilhões de barris

A petroleira brasileira Petrobras informou que a produção acumulada de óleo do campo offshore de Tupi, no Brasil, atingiu recentemente a marca de 2 bilhões de barris de óleo equivalente (boe).

O campo, apelidado de maior produtor de petróleo em águas profundas do mundo, com aproximadamente 1 milhão de barris por dia (bpd), atingiu a marca de 2 bilhões de barris em julho, disse a Petrobras, citando dados da agência reguladora nacional de petróleo e gás ANP.

“Essa produção acumulada ocorre apenas dez anos após o início do primeiro sistema permanente de produção, a Produção Flutuante, Armazenamento e Descarregamento (FPSO) Cidade Angra dos Reis, e quatorze anos depois de sua descoberta, em 2006”, afirmou Petrobras.

De 2010 a 2019, o consórcio, formado pela Petrobras, com 65% de participação em parceria com a Shell Brasil Petróleo Ltda (25%) e Petrogal Brasil SA (10%), colocou em operação nove sistemas de produção, uma média de um sistema por ano.

Olhando para o futuro, a Petrobras disse que, com seus parceiros no bloco BM-S-11, já desenvolveu diversas iniciativas visando revitalizar o campo antes mesmo do início de seu declínio, buscando aumentar o fator de recuperação de óleo e gás que pode ser extraído do campo e, assim, maximizar o valor do ativo para a empresa.

“Para isso, a empresa desenvolve projetos, como a interligação de novos poços em sistemas de produção já implantados e o uso da tecnologia de injeção alternada de água e gás (Water Alternating Gas – WAG), para manter a pressão do reservatório”, afirmou a Petrobras.

Para lembrar, a Petrobras no início deste mês mudou o nome do campo de Lula para Tupi.

A Petrobras mudou o nome do campo de Tupi para Lula em 2010, no entanto, um tribunal ordenou recentemente a mudança do nome, pois, embora a palavra Lula signifique “lula” em português, também é o apelido do ex-presidente do Brasil Luiz Inácio da Silva .

Voltar ao Topo