Notícias

Produção de petróleo na Venezuela próxima de zero

A Venezuela poderá em breve estar produzindo perto de zero barris de petróleo, revelou uma nova análise da IHS Markit.

A produção de petróleo bruto do país está atualmente em torno de 100 mil a 200 mil barris por dia (bpd) e caindo, segundo a empresa, que destacou que a produção da Venezuela era de cerca de 650 mil bpd há um ano e chegava a dois milhões de barris por dia. em 2017.

A IHS Markit observou que a queda na produção da Venezuela é o produto de décadas de declínio e decadência, mas foi exacerbada mais recentemente pelo colapso do preço do petróleo induzido pela Covid-19 em 2020, sanções dos EUA e armazenamento doméstico limitado de petróleo.

A empresa, que destacou que a Venezuela é o país com as maiores reservas de petróleo do mundo, disse que a restauração da produção “em algum lugar no futuro” é sempre uma possibilidade, mas acrescentou que o estado da infraestrutura da Venezuela, as sanções em curso dos EUA e a menor demanda global fazem é “cada vez mais improvável”.

“Nunca antes um antigo grande país produtor de petróleo viu a produção cair tão baixo por tanto tempo”, disse Jim Burkhard, vice-presidente da IHS Markit e chefe de mercados de petróleo, em um comunicado da empresa enviado à Rigzone.

“No caso da Venezuela, se há alguma surpresa é que a desintegração não aconteceu mais rápido”, acrescentou no comunicado.

“Em termos de impacto no mercado, se você tivesse que escolher um momento para a queda de um grande produtor global de petróleo – um membro fundador da OPEP, nada menos – seria esse. Há ampla capacidade de produção em todo o mundo para atender à recuperação da demanda mundial de petróleo que vem ocorrendo desde maio ”, prosseguiu Burkhard.

A Venezuela é um dos cinco países que criaram o grupo Organização dos Países Exportadores de Petróleo em 1960. Os outros quatro países compreendem Irã, Iraque, Kuwait e Arábia Saudita. De acordo com a IHS Markit, a Venezuela é agora o terceiro menor produtor entre os 13 membros da OPEP, logo à frente da Guiné Equatorial e da Líbia.

Voltar ao Topo