Óleo e Gás

Primeira usina de biogás do tipo inaugurada no Brasil

A usina de biogás do Bonfim, da empresa brasileira de biocombustíveis Raízen, a primeira instalação em escala comercial desse tipo, está em operação.

A planta de 21 MW é uma joint venture entre a Raízen e a fornecedora de energia verde Geo Energética sob o nome de Raízen Geo Biogás. Foi desenvolvido para aproveitar os resíduos do processamento da cana-de-açúcar e do etanol, ou seja, a torta de filtro, que é o resíduo da filtração do caldo, e a vinhaça, que é um subproduto líquido ácido do processo de destilação.

Estes são processados ​​em biodigestores para gerar biogás, que por sua vez é usado para gerar eletricidade.

O objetivo é operar a planta ao longo do ano utilizando vinhaça na safra e torta de filtro na entressafra. A usina tem uma produção de energia de 138.000 MWh / ano. Desse total, 96.000 MWh estão contratados para o mercado de energia em um contrato de 25 anos com início em janeiro de 2021, com o restante disponível para comercialização no mercado livre.

Falando na inauguração, o ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse: “Isto deve ser um grande orgulho para todos aqui. Com base nos instrumentos que já estabelecemos com a nossa política nacional de biocombustíveis, Renovabio, estou convencido de que esta planta é a primeira de muitas outras que serão construídas no futuro próximo. ”

A instalação de biogás, a primeira em escala comercial a usar subprodutos da cana-de-açúcar como matéria-prima, está localizada próxima à usina de processamento de cana-de-açúcar Bonfim da Raízen, na cidade de Guariba, cerca de 350 km a noroeste de São Paulo. A planta é a segunda maior da Raízen, com capacidade de 5 milhões de toneladas por ano.

Potencial do biogás no Brasil

Em seus comentários, o ministro Albuquerque disse que o potencial de produção de biogás a partir de torta de filtro e vinhaça no Brasil pode chegar a 45 milhões de m3 / dia, o que é mais do que o dobro da média de 19 milhões de m3 / dia de gás natural importado da Bolívia em 2019.

“Não é exagero dizer que o biogás será uma revolução comparável ao advento, no início dos anos 2000, da produção simultânea de calor e eletricidade a partir do bagaço da cana.”

A produção de biogás com essa tecnologia exige usinas com capacidade de moagem de mais de 1 milhão de toneladas de cana-de-açúcar, segundo nota do ministério.

A Raízen é uma joint venture entre a Cosan e a Shell, produtora brasileira de bioetanol, açúcar e energia.

 

Voltar ao Topo