Economia

PIB do Brasil no caminho para melhores resultados do que o esperado

O Índice de Atividade Econômica do Brasil (IBC-Br), divulgado pelo Banco Central e considerado um presságio do Produto Interno Bruto (PIB) do país, subiu 1,70% em fevereiro de 2021, ante os números de janeiro, foi anunciado segunda-feira.

Os novos dados mostram uma variação positiva de 0,98% ano a ano, contra os -0,4% previstos pelos analistas. A previsão oficial do Banco Central sobre a expansão do PIB para 2021 é de 3,6%.

Mas a projeção de inflação para este ano permaneceu inalterada em 4,9%, ainda acima da meta do Banco Central, de 3,75%, o que também é o caso das projeções para 2022, já que o relatório semanal Focus estabeleceu 3,6% contra a meta do Banco Central de 3,5%.

O CEO do Banco Central, Roberto Campos Neto, defendeu na semana passada a elevação das taxas de juros agressivamente no início de um ciclo de aperto monetário, para evitar elevar demais as taxas no final da curva e manter as taxas de juros contidas.

“Há sempre o risco de que a inflação de curto prazo comece a contaminar a etapa final da curva e é por isso que decidimos mover (elevar a taxa) mais cedo do que o mercado esperava. Quanto mais rápido agirmos, mais eficientes seremos”, disse ele.

Enquanto isso, a principal bolsa de valores de São Paulo fechou em um caminho descendente que poderia ter sido mais profundo se não fosse a nomeação do novo CEO da Petrobras, que parece ter injetado alguma confiança na imagem da empresa, subindo 6%.

O general Joaquim Silva e Luna assumiu como novo ceo da Petrobras no lugar de Roberto Castello Branco. O militar, endossado diretamente pelo presidente Jair Bolsonaro, disse que buscará reduzir a volatilidade dos preços dos combustíveis sem romper a paridade de importação.

A moeda brasileira, o Real, subiu 0,57% em relação ao dólar americano, fechando a 1 US$ = R$5,5538

Voltar ao Topo