Offshore

Enauta retoma a produção do campo de Atlanta após parada induzida por corrosão

A empresa brasileira de petróleo e gás Enauta retomou a produção do campo offshore de Atlanta, na Bacia de Santos, no Brasil.

A Enauta, antes conhecida como Quireoz Galvão, havia anunciado em novembro de 2020 a “suspensão preventiva” da produção do campo de Atlanta, após corrosão encontrada em alguns dos equipamentos que poderiam prejudicar a funcionalidade.

A empresa decidiu então substituir os tubos de um dos aquecedores do poço 7-ATL-4HB-RJS do campo que produz óleo via Petrojarl I FPSO.

“Depois que a substituição definitiva foi concluída, o poço voltou a operar, atingindo a produção esperada de 10,4 kbbl / dia”, disse a Enauta nesta segunda-feira.

Sobre a expectativa de retomada da produção dos demais poços, Enauta disse: “O poço 7-ATL-3H-RJS deverá retomar a produção até o final do primeiro trimestre deste ano, com produção inicial estimada em torno de 10,0 kbbl / dia. O poço 7-ATL-2HP-RJS deverá retomar a produção em meados de 2021. ” 

A Enauta é a operadora do Campo de Atlanta com 100% de participação, após a empresa em dezembro de 2020 concordar em assumir a posse total da participação operacional do Bloco BS-4, contendo o campo produtor de Atlanta como seu então parceiro Barra Energia, decidiu se retirar do bloco.

A ação da Barra deixou que a Enauta decidisse se ficava com a participação de 50 por cento da Barra no bloco ou prosseguia com o abandono conjunto do projeto, uma vez que o sistema de produção inicial – Petrojarl I FPSO – encerrasse as operações. A Enauta decidiu adquirir a participação da Barra e a Barra Energia concordou em $ 43,9 milhões para a Enauta relacionados às operações de abandono dos três poços e descomissionamento das instalações existentes no campo.

Voltar ao Topo