Petróleo

Petróleo em alta com riscos persistentes do lado da oferta

Os preços do petróleo subiram na terça-feira devido a preocupações com a oferta em meio à tensão contínua entre a Rússia e a Ucrânia e as sanções em curso aos combustíveis fósseis russos, com os países da UE agora buscando fontes alternativas de energia.

O petróleo Brent de referência internacional estava sendo negociado a US$ 114,38 por barril às 0657GMT para um aumento de 0,22% após fechar a sessão anterior em US$ 114,13 por barril.

O índice de referência americano West Texas Intermediate (WTI) estava em US$ 109,23 por barril ao mesmo tempo para um ganho de 1,15% após a sessão anterior ter fechado em US$ 107,99 por barril.

“O petróleo bruto se recuperou, à medida que as preocupações de uma desaceleração econômica diminuíram”, disse o estrategista de commodities do Australia and New Zealand Banking Group (ANZ), Daniel Hynes, em nota por e-mail.

Embora o presidente dos EUA, Joe Biden, tenha dito que uma recessão nos EUA não é inevitável, Hynes observou que seus comentários vieram depois que o Federal Reserve dos EUA aumentou as taxas em 75 pontos-base, sinalizando a probabilidade de aumentos de taxas mais agressivos que arriscariam o crescimento econômico.

Exercendo mais pressão ascendente sobre os preços, as preocupações com a oferta aumentaram depois que a Líbia disse que a produção de petróleo havia caído para níveis alarmantemente baixos de uma média de 1,2 milhão de barris por dia apenas no ano passado.

A crise energética, especialmente nos países da UE, está agora se acelerando após o corte das exportações russas de petróleo e gás.

A Alemanha disse na segunda-feira que priorizará usinas a carvão e aumentará o armazenamento de gás natural para reduzir o consumo de gás natural.

Voltar ao Topo