Empregos

Petrobras retoma obras da refinaria em Pernambuco

A caneta voltou a funcionar no alto comando da Petrobras. Depois de aprovar a retomada de algumas obras no Comperj, o conselho da estatal seguiu o mesmo caminho em relação à Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, com o aval para a continuidade das atividades de contratação, atualmente em curso, para conclusão da unidade de abatimento de emissões (SNOX) e demais obras de complementação do Trem 1.

A refinaria, que é dividida em dois trens, já opera parcialmente o primeiro deles, com carga de 100 mil barris por dia, mas só poderá chegar ao máximo da capacidade após a finalização da SNOX, voltada ao tratamento dos gases resultantes do processo de produção de combustíveis com baixo teor de poluentes, como o Diesel S-10.

A Refinaria Abreu e Lima chegou a empregar cerca de 38 mil trabalhadores no auge das obras, mas os custos se elevaram assustadoramente desde a previsão inicial, passando de um primeiro orçamento de US$ 2,5 bilhões para cerca de US$ 20 bilhões.

Além disso, as contratações da planta foram alvo de uma série de questionamentos após as descobertas de esquemas de corrupção na Petrobrás por meio da Operação Lava Jato, e desde 2014 as obras foram sendo paralisadas, principalmente pela dificuldade de caixa da estatal. Com isso, caiu para cerca de 2 mil funcionários em atividade na área no ano passado.

Agora, a retomada parcial com o SNOX e as demais unidades do trem 1 devem dar um novo impulso à região, mas o trem 2 ainda está em compasso de espera.

“A decisão final sobre a melhor estratégia para implantação do Trem 2 da Rnest se dará no âmbito da aprovação do próximo Plano de Negócios e Gestão (PNG), fundamentada na análise integrada do portfólio de projetos da Petrobrás e de acordo com as projeções de mercado e os limites de financiabilidade da companhia”, explicou a estatal em nota.

Venda da Petrobras no Chile

A Petrobrás também assinou nos últimos dias o contrato de venda de sua subsidiária no Chile, para a Southern Cross Group, por US$ 464 milhões. O valor será recebido da seguinte maneira: US$ 88 milhões oriundos da distribuição do excedente de caixa, anteriormente ao encerramento da transação (closing); US$ 367 milhões a serem pagos no dia do fechamento do negócio; e US$ 9 milhões, a título de ajuste de preço, a serem desembolsados em até 65 dias úteis após o fechamento.

O contrato envolve 279 postos de serviço, além de 8 terminais próprios de distribuição, operações em 11 aeroportos, participação em 2 empresas de logística e 1 planta de lubrificantes. A transação deve ser concluída num prazo de 3 a 4 meses. ( Notícias do trecho)

Voltar ao Topo