Notícias

Petrobras reduz meta de produção para 2022 no leilão de Atapu e Sépia

A estatal brasileira Petrobras reduziu sua meta de produção para 2022 em 70.000 b/d de óleo equivalente em meio a expectativas de que sua participação na produção dos campos de Atapu e Sepia será reduzida por acordos de coparticipação pendentes, informou a empresa em 14 de janeiro.

A Petrobras espera bombear 2,6 milhões de boe/d em 2022, abaixo da previsão inicial de 2,7 milhões de boe/d feita em novembro, disse a empresa. A produção de petróleo, no entanto, foi mantida em 2,1 milhões de b/d, embora a Petrobras também espere que os acordos de coparticipação reduzam 60.000 b/d de sua estimativa de produção anterior.

No período 2023-2026, a Petrobras espera que os acordos de coparticipação reduzam a produção em cerca de 100.000 boe/d em relação às estimativas anteriores.

A revisão para baixo ocorreu após a venda de volumes excedentes de produção de Atapu e Sepia no segundo leilão de compartilhamento de produção de cessão onerosa do Brasil, realizado em 17 de dezembro. A participação da Petrobras na produção dos dois campos foi reduzida pelos novos consórcios de desenvolvimento criados pelo leilão, onde a Petrobras enfrentou uma concorrência mais forte do que o previsto pelos direitos de petróleo dos dois campos.

A Petrobras, no entanto, havia exercido seu direito preferencial de deter pelo menos 30% de participação operacional no consórcio vencedor de ambos os campos antes do leilão, garantindo sua participação apesar da disputa acirrada.

A Petrobras se uniu à francesa TotalEnergies e à rival anglo-holandesa Shell para reivindicar direitos sobre a Atapu, garantindo ao governo 31,68% do lucro em óleo e pagando um bônus de assinatura de US$ 702 milhões. A Petrobras terá uma participação operacional de 52,5% na Atapu, enquanto a Shell terá uma participação minoritária de 25% e a TotalEnergies 22,5%.

Além disso, a Petrobras detém o direito de produzir 550 milhões de boe sob o contrato original de cessão onerosa. A ANP estimou que o campo detinha um adicional de 2,5 bilhões a 4,0 bilhões de barris de reservas recuperáveis.

A Petrobras também receberá cerca de US$ 1,5 bilhão de seus novos parceiros para reembolsar a empresa pelos investimentos já feitos no campo, disse a empresa. O pagamento está previsto para 15 de abril.

O acordo de coparticipação para o reservatório compartilhado de Atapu concederá à Petrobras uma participação de 65,69% na produção, informou a empresa. A Shell ficará com 16,66%, TotalEnergies 15,0% e a portuguesa Galp Energia 1,70%. A empresa governamental de gestão do pré-sal Pre-Sal Petroleo SA, ou PPSA, ficará com 0,95%.

A Atapu, que entrou em operação em junho de 2020, bombeou 157.794 boe/d em novembro, segundo o último relatório de produção da ANP divulgado em 3 de janeiro.

As ofertas entram em vigor em 1º de maio

A francesa TotalEnergies, por sua vez, liderou um grupo que liderou a oferta individual da Petrobras pela Atapu, garantindo uma participação de 37,3% do profit oil para o Brasil. A Petrobras aderiu ao consórcio e detém 30% de participação operacional, com a TotalEnergies com 28%. A Qatar Petroleum e a Petronas detêm, cada uma, uma participação minoritária de 21%.

Além disso, a Petrobras detém o direito de produzir 500 milhões de boe sob o contrato original de transferência de direitos. A ANP estimou que o campo detinha entre 500 milhões e 700 milhões de barris adicionais de reservas recuperáveis. O grupo ainda está negociando o momento de um pagamento de US$ 2,2 bilhões para reembolsar a Petrobras pelos investimentos feitos na Sépia.

O acordo de coparticipação para o reservatório compartilhado de Sépia concederá à Petrobras uma participação de 55,3% na produção, informou a empresa. A TotalEnergies receberá 16,91%, enquanto a Qatar Petroleum e a Petronas receberão cada uma 12,69% da produção. A Galp também obterá 2,41%.

O campo, que bombeou o primeiro óleo no final de agosto, produziu 43.403 boe/d em novembro, segundo a ANP.

A Galp, que não participou em nenhum dos grupos de licitações de cessão de direitos, vai ficar com a sua quota de produção de petróleo porque os reservatórios partilhados se estendem por áreas onde a empresa detém participação.

Os acordos de coparticipação devem entrar em vigor em 1º de maio, segundo a Petrobras.

A Petrobras manteve intacta sua perspectiva de investimento para 2022 em US$ 11 bilhões em seu plano estratégico 2022-2026, informou a empresa. Isso provavelmente mudará quando a Petrobras divulgar seu plano 2023-2027 no próximo ano, que incluirá investimentos adicionais em Atapu e Sepia.

“Ao longo do ano, parceiros e PPSA discutirão o plano de desenvolvimento para produção de volumes excedentes em Atapu e Sépia, que deve incluir a instalação de um novo sistema de produção em cada campo”, disse a Petrobras.

Voltar ao Topo