Economia

Petrobras busca parceiros do setor privado para ação social

petrobras

Gigante do petróleo busca ampliar esforços e evitar que programa seja usado para fins políticos - Foto: Divulgação Petrobras

Gigante do petróleo busca ampliar esforços e evitar que programa seja usado para fins políticos – Foto: Divulgação Petrobras

A Petrobras pretende envolver outras empresas em um programa social de distribuição de gás de cozinha (GLP) para famílias pobres, afirmam fontes. A estatal de petróleo anunciou nesta quarta-feira um plano de destinar R $ 300 milhões em 15 meses para esse programa, que terá como foco o GLP e beneficiará cerca de 400 mil famílias.

A Copa Energia, que reúne as marcas Copagaz e Liquigás, confirmou que teve conversas iniciais com a equipe ESG da Petrobras, que trata de questões ambientais, sociais e de governança. A Ultragaz disse que aguarda mais detalhes operacionais do projeto, enquanto o grupo Edson Queiroz, que controla a Nacional Gás, disse que programas como o da Petrobras são de “extrema importância” para a sociedade.

A Petrobras busca ampliar o esforço e evitar que o programa seja utilizado para fins políticos com a aproximação do ano eleitoral. Ele também está tentando garantir mais recursos. Uma fonte disse que chegou a cogitar a possibilidade de um match-funding para estimular a iniciativa privada: a cada contribuição de cada empresa, a Petrobras daria outra cota.

O anúncio do programa veio na esteira das reclamações do presidente Jair Bolsonaro e do presidente da Câmara dos Deputados Arthur Lira sobre os preços da gasolina e do GLP.

Na segunda-feira, mesmo dia em que Bolsonaro disse em Brasília que gostaria que o preço da gasolina ficasse em R $ 4 o litro – custam, em média, R $ 6 nas bombas – o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, convocou entrevista coletiva no Rio para dizer que nada mudaria na política de preços da Petrobras. Na terça-feira, a Petrobras aumentou o preço do diesel em 8,89% e na quarta-feira à noite veio o anúncio do GLP.

Embora a Petrobras tenha classificado a medida como um programa “social”, várias pessoas a enxergaram como resultado das recentes pressões políticas para que a empresa reduzisse os preços da gasolina, diesel e GLP em meio ao cenário global de aumento da demanda e dos preços do petróleo e gás. “Não se executaria o programa se não fosse pressionado”, disse uma fonte. Outra fonte disse que a iniciativa está pensada desde o início de 2021 e que foi o agravamento da crise social que levou a Petrobras a anunciá-la.

Segundo a fonte, a Petrobras foi até onde pôde no programa considerando a boa situação financeira da empresa, favorecida pelos preços do petróleo, e as boas perspectivas para o segundo semestre. Por outro lado, os R $ 300 milhões representam relativamente pouco para uma empresa do porte da Petrobras. Mas o valor do programa dobra o que a empresa vem investindo na área social. Em 2020, a estatal investiu R $ 145,5 milhões em projetos sociais, incluindo meio ambiente, cultura, esportes, projetos científicos, corporativos e tecnológicos, e doações para o combate à Covid-19.

O limite do que a Petrobras pode fazer neste campo suscita o debate da função social da empresa. “O governo é quem tem que se preocupar com a política social. [Inclui] tirar, se quiser, o dinheiro recebido dos dividendos e impostos da Petrobras para investir mais nas políticas sociais ”, disse uma fonte.

A Petrobras vai pagar R $ 41,9 bilhões neste ano em dividendos e juros sobre capital próprio. O governo, maior acionista individual da empresa, receberá R $ 15,4 bilhões. A primeira parcela, de R $ 10,3 bilhões, correspondente ao resultado da empresa em 2020, foi paga em abril e o governo arrecadou R $ 3,8 bilhões. O segundo, de R $ 31,6 bilhões, responde pelos dividendos sobre o resultado previsto para este ano, e o governo ficará com R $ 11,6 bilhões. Em agosto, a empresa pagou R $ 21 bilhões desse total, e os R $ 10,6 bilhões restantes serão pagos em dezembro.

O pagamento dos dividendos gerou um debate político nos últimos dias, já que há quem questione o uso dos recursos para a remuneração dos acionistas. A Petrobras anunciou o programa de GLP neste cenário. Em nota, a empresa informou que o modelo do programa está em fase final de estudos, que inclui a definição dos critérios para a escolha das famílias.

Disse também que vai procurar parceiros para aumentar o valor a ser investido, com possibilidade de criação de um fundo para que outras empresas adiram ao projecto. Pedro Zahran Turqueto, chefe de estratégia e mercado da Copa Energia, disse que apesar de ter conversado inicialmente sobre o assunto com a Petrobras, ainda não está claro como funcionará esse fundo. Ele disse que a empresa apóia o esforço, mas deve analisar do ponto de vista financeiro como seria uma eventual contribuição.

Voltar ao Topo