Offshore

Petrobras e SBM Offshore assinam carta para Campo de Búzios

A gigante brasileira de petróleo Petrobras assinou uma carta de intenções com a fornecedora holandesa de FPSO SBM Offshore para a entrega de um FPSO a ser implantado no campo de Búzios, na Bacia de Santos, offshore do Brasil.

A SBM Offshore será responsável pela engenharia, suprimento, construção, instalação e operação do FPSO, que se chamará FPSO Almirante Tamandaré. O contrato de arrendamento e operação é de 26,25 anos. 

O FPSO será a maior unidade produtora de petróleo em operação offshore no Brasil e uma das maiores do mundo, com capacidade diária de processamento de 225 mil barris de óleo e 12 milhões de m3 de gás. 

O FPSO Almirante Tamandaré terá capacidade de injeção de água de 250 mil barris por dia e capacidade mínima de armazenamento de 1,4 milhão de barris de petróleo bruto. O FPSO será espalhado atracado em lâmina d’água de aproximadamente 2.000 metros. A entrega do FPSO está prevista para o segundo semestre de 2024.

O FPSO será construído usando o programa Fast4Ward da SBM Offshore, que inclui uma nova construção, casco flutuante multiuso combinado com vários módulos de topsides padronizados. O quarto casco Fast4Ward MPF da SBM Offshore foi alocado para este projeto.

No programa Fast4Ward, a SBM Offshore normalmente encomenda um casco de FPSO sem um contrato firme em mãos, de modo que, quando um contrato é fechado, o tempo de entrega do FPSO é menor. O casco agora alocado para o FPSO Almirante Tamandaré  foi encomendado em dezembro de 2019 e está em construção na China. 

Bruno Chabas, CEO da SBM Offshore, comentou: “A SBM Offshore tem o orgulho de anunciar que a Petrobras concedeu à Companhia o LOI para o 6º desenvolvimento de FPSO no campo de classe mundial de Búzios no Brasil.”

O projeto prevê a interligação de 15 poços ao FPSO, sendo 6 produtores de petróleo, 6 injetores de água e gás, 1 injetor de gás e 2 poços conversíveis, por meio de uma infraestrutura submarina composta por dutos rígidos de produção e injeção e dutos de serviços flexíveis.

A SBM Offshore não respondeu imediatamente ao pedido do Engenheiro Offshore em busca de informações sobre o valor do contrato e sobre o status da construção do casco.

Vale a pena notar que a notícia do FPSO de Búzios chega um dia depois de a Reuters informar que a SBM Offshore foi a única licitante  para outro trabalho de FPSO com a Petrobras, o Mero-4.

Voltar ao Topo