Offshore

Petrobras decide sobre devolução parcial da área offshore libra

A petrolífera brasileira Petrobras, líder do consórcio Libra que opera a área offshore Libra no Brasil, disse na sexta-feira que o consórcio havia informado o regulador nacional da “devolução” da parte do bloco.

A Petrobras, em nome dos sócios Shell, Total, CNDOC e CNOOC, notificou a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) da devolução da região Sudeste do bloco Libra, na Bacia de Santos.

“Desde o início das atividades de avaliação do bloco de Libra, a região Sudeste, um compartimento distinto dos outros, foi identificada como uma área de baixo potencial. A conclusão da análise dos dados obtidos confirmou essa expectativa”, informou a Petrobras.

A petrolífera informou que a devolução estava de acordo com o Plano de Avaliação de Descobertas (PAD) do poço 3-BRSA-1267-RJS, que abrange as áreas Central e Sudeste do bloco de Libra, permanecendo após a Declaração de Comercialidade da região Noroeste de Libra que originou o atual campo de Mero, o terceiro maior campo produtor da área do pré-sal.

A fase exploratória da avaliação da descoberta dessa área continuará até março de 2025, informou a Petrobras.

A Offshore Engineer entrou em contato com a Petrobras, buscando mais informações sobre o que a devolução significava para o parceiro de consórcio, em termos práticos.

Atualizaremos o artigo com qualquer resposta que possamos receber.

Voltar ao Topo