Offshore

Petrobras de olho na venda dos campos offshore de Albacora

A petrolífera brasileira Petrobras lançou um teaser para a potencial venda de suas participações nos blocos offshore de Albacora e Albacora Leste em águas profundas no Brasil.

A Petrobras está vendendo uma participação operacional 100% operada na licença offshore em águas profundas de Albacora e uma participação operacional operada 90% em Albacora Leste. Ambos os ativos estão localizados na Bacia de Campos, offshore do Brasil.

A Petrobras disse que com OOIP e produção combinados de 8,2 Bboe e 77 Mboe / d, os ativos representam “um centro de produção operado por materiais com revitalização do pós-sal substancial e projetos de desenvolvimento do pré-sal”.

Albacora, em lâminas d’água de 100 a 1.050 metros, foi descoberta pela Petrobras em 1984. A primeira produção começou em 1987. A produção atual do campo gira em torno de 43 Mboe / d.

A infraestrutura de campo inclui duas plataformas de produção e processamento, a P-25 semissubmersível e P-31 FPSO.

Para Albacora, a Petrobras diz que há um projeto planejado de revitalização do campo que tem potencial para mais do que triplicar a produção dos níveis atuais. 

Albacora Leste, localizada na região norte da Bacia de Campos, em lâmina d’água que varia de 1.000 a 2.150 m, foi descoberta pela Petrobras em 1988. O primeiro óleo começou a fluir em 2006 e a produção atual é de 34 Mboe / d.

A Petrobras também disse que as próximas atividades de perfuração e trabalho em Albacora Leste devem aumentar a produção de curto prazo e sustentar o patamar de produção estendido.

A infraestrutura de campo ativa inclui o FPSO P-50 com capacidade de processamento de óleo de 180.000 bbl / d e 6 MMm³ / d de gás. O petróleo é escoado por meio de navios-tanque aliviadores e o gás é exportado pela plataforma vizinha PNA-1.

Já as petrolíferas potencialmente interessadas, para poderem participar, precisam ter uma capitalização de mercado ou patrimônio líquido de pelo menos US $ 500 milhões. Todas as instituições financeiras interessadas precisam administrar fundos avaliados em pelo menos US $ 2,5 bilhões. 

A Petrobras disse que as partes interessadas precisam notificar formalmente o Scotiabank sobre seu interesse até 16 de outubro de 2020.

A petroleira brasileira afirmou que o potencial de venda está em linha com a estratégia de otimização do portfólio e melhoria da alocação de capital da empresa, concentrando cada vez mais seus recursos em águas profundas e ultraprofundas, “onde a Petrobras tem demonstrado grande vantagem competitiva ao longo dos anos”.

Em uma postagem do Linkedin na sexta-feira, a empresa de inteligência de energia classificou os ativos à venda como “um dos pacotes de aquisição mais atraentes do mundo”.

“Esses ativos adjacentes são dois dos maiores ativos do pós-sal na Bacia de Campos (combinados ~ 80 kboe / d), ambos com potencial de redesenvolvimento de material e upside do pré-sal. O interesse nesta oportunidade será alto, principalmente porque a Petrobras está saindo – haverá vários pretendentes “, disse Welligence.

Voltar ao Topo