Notícias

Petrobras confirma Luna como novo CEO e nomeia novos chefes de divisão

O conselho da Petrobras elegeu quatro executivos de carreira para chefiar as principais divisões de empresas em vez de trazer mais estrangeiros, disse a companhia petrolífera estatal brasileira nesta sexta-feira, confirmando notícias anteriormente divulgadas pela Reuters.

O conselho de administração da Petroleo Brasileiro SA, como a empresa é formalmente conhecida, se reuniu na sexta-feira para oficializar Joaquim Silva e Luna como diretor executivo, e votar os novos chefes de divisão.

Os quatro novos diretores executivos – um cargo equivalente ao vice-presidente – tiveram longas carreiras na produtora de petróleo e fizeram parte do plano de sucessão pré-existente da empresa.

A decisão de Luna de endossar executivos experientes da empresa envia uma mensagem de alguma continuidade a um mercado cauteloso com nomeações não-especializadas para liderar a empresa.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou que Luna, de 71 anos, assumiria o comando da Petrobras em um post no Facebook em fevereiro. Luna foi ministra da Defesa do Brasil em 2018. Ele é o primeiro militar a comandar a Petrobras desde a década de 1980.

Metade dos oito cargos da empresa ficou desocupada após quatro chefes de divisão deixarem a empresa após o ex-CEO Roberto Castello Branco, que foi demitido por Bolsonaro em fevereiro em uma disputa sobre os preços dos combustíveis. Ele terminou oficialmente seu mandato na segunda-feira.

O diretor de Contabilidade e Tributação Rodrigo Araujo foi nomeado diretor financeiro.

CARREIRAS LONGAS

O gerente executivo de Comercialização Claudio Mastella foi chefe do departamento de logística e comercialização, responsável pelos preços dos combustíveis, tema sensível para a Petrobras.

O gerente executivo Fernando Borges, que liderou o projeto offshore do campo de Libra, vai chefiar a divisão de Exploração e Produção.

João Henrique Rittershaussen foi eleito diretor executivo da divisão de Desenvolvimento de Produção. Ele era gerente executivo do mesmo departamento.

No passado, tanto Borges quanto Rittershaussen criticaram publicamente regras nacionalistas implementadas durante os governos do Partido dos Trabalhadores para promover a construção de plataformas no Brasil por construtores locais. Recentemente, a Petrobras decidiu retomar a construção de plataformas no exterior.

General aposentado sem experiência no setor petrolífero, Luna foi o mais recente de uma série de militares ativos e ex-militares com quem Bolsonaro se cercou desde que assumiu o cargo.

A demissão de Castello Branco após subir os preços dos combustíveis mais de 30% em alguns meses fez com que os mercados financeiros avançavam.

Os preços dos combustíveis continuam sendo um tema sensível para os investidores depois que a Petrobras perdeu US$ 40 bilhões entre 2011 e 2014, já que o governo, que controla a maioria das ações com direito a voto da companhia, a obrigou a subsidiar os preços das bombas locais.

Voltar ao Topo