Notícias

O petróleo está matando as tartarugas brasileiras

Mais de um mês desde que o petróleo começou a aparecer nas praias mais turísticas do Brasil, pontilhando areia com manchas pretas, matando tartarugas marinhas e assustando os pescadores, a origem do petróleo ainda é um mistério.

“Não sabemos a origem do petróleo, de onde veio ou como chegou aqui”, disse o ministro da Energia, Bento Albuquerque, em um leilão de exploração offshore no Rio de Janeiro, na quinta-feira.

O petróleo provavelmente vazou de um navio no oceano, ele se aventurou, acrescentando que ele tem características semelhantes ao petróleo pesado venezuelano , o que não significa que ele venha de lá. A companhia estatal de petróleo da Venezuela negou categoricamente ter algo a ver com a mancha, dizendo que não havia relatos de incidentes em suas instalações ou de clientes, nem evidências de vazamentos que poderiam ter causado danos no Brasil.

O derramamento maciço já se espalhou pelas costas dos nove estados do nordeste do Brasil. Mais de uma dúzia de tartarugas marinhas foram encontradas mortas, cobertas de petróleo bruto, informou o jornal local O Estado de S. Paulo. Cerca de 800 filhotes de tartarugas que nasceram foram impedidos de entrar no mar, segundo o jornal, citando o Projeto Tamar, um dos mais conhecidos projetos de conservação da vida selvagem do Brasil.

A agência ambiental do país disse que o petróleo encontrado nas praias não foi produzido pelo Brasil e que a Marinha e a polícia federal do país estão investigando o vazamento.

Na quarta-feira, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que o petróleo provavelmente se originou da Venezuela, citando um relatório da empresa estatal Petroleo Brasileiro SA sobre as características do petróleo.

O diretor-presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse na terça-feira que o vazamento pode ter sido causado por um navio afundado, um acidente ao carregar petróleo de um navio para outro ou por um ato criminoso. O presidente Jair Bolsonaro disse há dias que o derramamento de óleo era provavelmente criminoso, sem mais detalhes.
Voltar ao Topo