Petróleo

Ninguém no Brasil parece está interessado na dieta da OPEP, diz Rystad

Em um fórum de outubro na Arábia Saudita, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, sugeriu que gostaria de ver o Brasil se juntar à OPEP. Se esse casamento se concretizar, a OPEP será a vencedora e o Brasil o perdedor de longe, disse o grupo de inteligência energética Rystad Energy.

O Brasil experimentou um tremendo surto na produção de petróleo, impulsionado pelo desenvolvimento de seus recursos no pré-sal.

No entanto, elevar a produção de petróleo do Brasil ao seu nível atual certamente não saiu barato. A Petrobras pagou mais de 78% da conta de US $ 396 bilhões do Brasil em exploração (excluindo custos de poços secos), desenvolvimento e operações de 2010 a 2018. Isso, em 2014, fez da Petrobras a empresa de E&P listada mais endividada do mundo. A Petrobras contaria com as receitas de sua produção crescente para ajudar a escalar sua montanha de dívidas.

Segundo a Rystad, os cortes de produção exigidos pela OPEP em seus projetos ameaçariam as tentativas da Petrobras de reduzir a engrenagem. A Petrobras não precisa da OPEP – precisa reduzir sua dívida ainda substancial.

Os players estabelecidos com atividades no Brasil não precisam da OPEP – eles buscam retornos sobre investimentos já consideráveis, disse Rystad. Os novos participantes que mordiscam os aglomerados de desinvestimentos da Petrobras não precisam da OPEP – querem estabilizar e até aumentar a produção em suas aquisições.

O setor de serviços de campos petrolíferos não precisa da OPEP – ela preferiria aumentar os níveis de produção para garantir mais negócios.

O Brasil foi convidado a se juntar à OPEP anteriormente também; então o governo afirmou que, segundo as leis brasileiras, não pode interferir nas operações de produção. Então, mesmo o governo brasileiro realmente não precisa da OPEP. Ninguém no Brasil parece interessado na dieta da OPEP, concluiu Rystad.

 

Voltar ao Topo