Notícias

Navio-tanque com 750 toneladas de diesel afunda na Tunísia

Um navio-tanque que transportava 750 toneladas de diesel do Egito para Malta afundou no sábado na costa sudeste da Tunísia, mas existe a possibilidade de evitar um grande derramamento.

O navio-tanque em questão – chamado Xelo – buscou abrigo nas águas da Tunísia do mau tempo antes de afundar no Golfo de Gabes.

A ministra do Meio Ambiente, Leila Chikhaoui, disse que a situação está sob controle. Ela acrescentou que estava viajando para Gabes “para avaliar a situação […] e tomar as decisões preventivas necessárias em coordenação com as autoridades regionais”.

Além disso, o porta-voz de um tribunal em Gabes Mohamed Karray disse: “Há vazamentos mínimos, que nem são visíveis a olho nu, e felizmente o petróleo está evaporando, então não deve haver um desastre no Golfo de Gabes”.

O Ministério do Meio Ambiente da Tunísia disse que o navio-tanque de 63 jardas de comprimento e 9,8 jardas de largura começou a levar água a cerca de quatro milhas da costa no Golfo de Gabes e que a sala de máquinas foi engolida. Ele disse que as autoridades tunisianas evacuaram a tripulação de sete membros. O capitão georgiano, quatro turcos e dois azerbaijanos foram brevemente hospitalizados para exames e depois foram transferidos para um hotel.

Além disso, as autoridades ativaram o plano nacional de emergência para a prevenção da poluição marinha com o objetivo de ‘controlar a situação e evitar a propagação de poluentes’.

O ministério do meio ambiente acrescentou que os ministérios da defesa, interior, transporte e alfândega estão trabalhando para evitar um desastre ambiental marinho na região e limitar seu impacto. Antes do navio afundar, o ministério descreveu a situação como ‘alarmante, mas sob controle’.

O Golfo de Gabes, onde o navio afundou, é uma área de pesca, mas sofreu com a poluição das indústrias de processamento de fosfato localizadas nas proximidades e a presença de um oleoduto que traz petróleo do sul da Tunísia.

Depois que o navio afundou, os mergulhadores inspecionaram o casco do petroleiro e não detectaram vazamentos. A inspeção foi realizada por mergulhadores acompanhados pelo capitão e engenheiro do navio. O Xelo, depois de afundar, deitou-se de lado a uma profundidade de cerca de 65 pés. O acesso ao navio é vedado pelos militares da Tunísia.

As válvulas foram fechadas e a equipe de mergulhadores garantiu que estivessem seladas e intactas. As autoridades alegaram que a situação não era perigosa e que as perspectivas eram positivas. O navio está atualmente estável, pois encalhou na areia. A prioridade agora era bombear o óleo diesel e evitar qualquer derramamento ou poluição.

Um navio italiano especializado em limpar a poluição marinha será enviado ao lado de uma equipe de mergulhadores para ajudar nos esforços.

O incidente anterior na Tunísia ocorreu em outubro de 2018. O cargueiro tunisiano Ulysse atingiu o Virginia, com sede em Chipre, ancorado a cerca de 32 quilômetros ao norte da Córsega. Como consequência, centenas de toneladas de combustível foram derramadas no Mediterrâneo. Levou vários dias para desembaraçar os barcos e bombear cerca de 18.360 pés cúbicos de combustível que escapou dos tanques.

Voltar ao Topo