Economia

Mubadala apresenta a melhor proposta para compra da refinaria RLAM da Petrobras

A Petrobras, informou nesta quinta-feira (09), em relação ao desinvestimento da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), e que o Mubadala Investment Company (Mubadala), apresentou a melhor proposta da fase vinculante, sendo assim, foi convidado para início das negociações.

O fundo de investimento de Abu Dhabi Mubadala passou à frente do grupo indiano Essar na disputa e ganhou o direito de discutir com exclusividade os termos do contrato de compra com a Petrobras para comprar a segunda maior refinaria do Brasil.

A estatal esclareceu que houve aprovação dos órgãos deliberativos da companhia para o início da fase de negociação dos contratos aplicáveis

“Após a conclusão das negociações com o primeiro colocado, há ainda possibilidade de ocorrer uma nova rodada de propostas vinculantes com os participantes classificados para essa fase, a depender dos termos dos contratos negociados.” informou a Petrobras.

De acordo com a estatal, o início das negociações com o participante que apresentou a melhor proposta é um desdobramento esperado nos projetos de desinvestimento, do qual não há previsão de divulgação ao mercado.

A  estatal vai vender junto com a RLAM 669 km de dutos que constituem a rede da refinaria, incluindo oleodutos curtos (Becan 6”, Becan 8”, e 21 Oleodutos de petróleo e derivados ligando a RLAM ao Terminal Madre de Deus), além de oleodutos longos (ORSUB ligando a RLAM aos Terminais de Jequié e Itabuna; ORPENE L1/14”, ORPEN 12” e ORPENE 8”, ligando a RLAM ao Complexo Petroquímico de Camaçari).

A venda da refinaria baiana tem previsão também para o desinvestimento em quatro terminais no estado, sendo eles, Candeias, Itabua, Jequié e Madre de Deus.

A RLAM começou a operar em 1950 e tem capacidade instalada para processar 330 mil barris por dia de petróleo.

Voltar ao Topo