Petróleo

Metade da capacidade de processamento de gás da Petrobras está ociosa

gas petrobras

O fator de utilização das usinas brasileiras de processamento de gás natural da NOC Petrobras foi em média de 50% entre janeiro e abril, segundo dados obtidos pelo BNamericas.

O número não leva em consideração as unidades de Candeias e Atalaia, no estado de Sergipe, que estão fora de serviço há mais de um ano.

Com 96%,  a planta de Urucu no Amazonas tem o maior fator médio. Tem capacidade autorizada de 12,2Mm3 / d (milhões de metros cúbicos por dia) e processou uma média de 11,7Mm3 / d no período.

A Petrobras usou apenas 7%, ou 386.158 m3 / d, em média de sua unidade de 5,7Mm3 / d em  Guamaré, no Rio Grande do Norte.

Fonte: BNamericas 

Quando contatada pela BNamericas, a Petrobras disse que as projeções de sua planta de processamento de gás consideram as características esperadas do gás e a produção dos campos no momento do planejamento inicial do projeto.

“A produção normalmente segue ciclos com períodos de crescimento, estabilização e subsequente declínio natural. Nesse contexto, os fatores de utilização variam de acordo com o momento do ciclo de produção dos campos. ”

A empresa destacou que está constantemente avaliando oportunidades para otimizar seus ativos, incluindo a alocação da produção futura aos ativos existentes.

“Além disso, de acordo com o termo de compromisso de cessação [com o órgão antitruste Cade, permitindo que atores privados utilizem seus gasodutos e unidades de processamento de gás natural], existe a possibilidade de utilização da capacidade ociosa das unidades para acesso de terceiros”.

As usinas de Urucu e Guamaré fazem parte do programa de desinvestimentos da Petrobras, sendo vendidas em conjunto com campos e dutos de gás natural. O primeiro está em negociação com a Eneva , enquanto o pólo Potiguar, que inclui a unidade de Guamaré, está em fase de licitação.

Enquanto isso, outras vendas de ativos de gás que não integram unidades de processamento, como as de Peroá, Cangoá, Camarupim e Golfinho, na bacia do Espírito Santo, enfrentam dificuldades.

A utilização de usinas de processamento é essencial para levar o gás aos consumidores finais, mas conta com uma robusta malha de dutos, que falta ao Brasil.

Em abril, 46% da produção total de gás natural do país (61Mm3 / d de 131Mm3 / d) foi reinventada para recuperar mais petróleo.

A média do fator de utilização de 2021 em é semelhante aos 52% do ano passado.

O governo e a indústria estão trabalhando em maneiras de aumentar os volumes disponíveis para os consumidores, incluindo novas rotas offshore.

Fonte: BNamerica

Voltar ao Topo