Benefícios

Mesmo com a pandemia Brasil volta a discutir Renda Básica para todos, Confira;

Em meio a  pandemia do coronavírus que levou milhões de pessoas a perder o emprego em todo o mundo, a idéia de uma renda básica para todos voltou a ser tema de debate.
O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), pediu aos países que proporcionem aos cidadãos uma renda básica para todos para ajudar os milhões de pessoas que perderam seus empregos e com o aumento da desigualdade devido a medidas para conter o vírus.
Dados do IBGE mostram que no Brasil, cerca de 14 milhões de pessoas vivem em extrema pobreza, a maioria negra e parda (73%) e quase metade (43%) no Nordeste.
Leandro Ferreira, presidente da Rede Nacional de Renda Básica, explicou que o conceito de renda básica é a transferência de renda universal e renda incondicional, em outras palavras, todos recebem dinheiro do governo incondicionalmente, a proposta foi adotada em alguns países.
Especialistas concordam com a importância de uma renda básica, especialmente durante a pandemia de coronavírus.
“Essa medida oferece mais capacidade para enfrentar crises, porque você não tem a chamada ‘invisibilidade’ aos olhos do país, além disso, as transferências de renda também ajudam a reduzir a desigualdade social, eliminar a pobreza e orientar políticas sociais com base nesses princípios”. Ferreira defendeu.
O Brasil já possui uma lei de renda básica para cidadãos proposta pelo então senador Eduardo Suplicy, que foi aprovada e sancionada em 2004, mas nunca foi implementada no país, a proposta foi aprovada em conjunto com o projeto Bolsa Família.
Segundo Leandro Ferreira, o Bolsa Família  é visto como o primeiro passo, que alcançará gradualmente a renda básica e, eventualmente, atingirá essa meta, ele disse: ” Mas desde o governo do ex-presidente Michel Temer, a Catedral da Bolsa Família cessou sua expansão e seu valor foi reajustado. ”

Atualmente, o Bolsa Família atende aproximadamente 40 milhões de brasileiros, na crise causada pelo coronavírus, outros 80 milhões de pessoas enfrentam a necessidade de receber 600 reais de assistência emergencial pagos desde abril.

Voltar ao Topo