Naval

Marinha autoriza navios maiores no Arco Norte

arco norte marinha

A Marinha brasileira autorizou a navegação de embarcações com calado de 11,9 metros no canal Grande do Curuá, na Barra Norte do Rio Amazonas, norte do Brasil.

Anteriormente, somente embarcações com calado de 11,7m eram autorizadas.

A autorização é de caráter experimental e foi aprovada em 6 de janeiro. Ela não é válida para navios-tanque e embarcações que transportam cargas perigosas.

A Marinha informou que irá analisar os efeitos e avaliar a viabilidade definitiva do novo calado no canal Grande do Curuá.

A região da Barra Norte, no estado do Amazonas, faz parte da logística do Arco Norte, uma região que vem ganhando mais atenção dos produtores de grãos, especialmente de Mato Grosso.

Arco Norte: O que é

Mesmo que você não tenha nenhuma noção de logística ou de portos brasileiros, com noção apenas da geografia brasileira, não é muito difícil imaginar a ampla utilidade do transporte hidroviário e de cabotagem.

Basta verificar a abundância de rios que fluem por todo território, especialmente no Norte do Brasil e no extenso litoral. A movimentação da produção brasileira por muitos anos, se fez ao contrário do que muitos aconselhavam, usando como prioridade os portos de grãos do Sul e Sudeste.

Porém, com os recordes das safras, com as demandas chinesas, o resultado foi muitos gargalos nos portos de grãos no Sul/Sudeste que já estavam sobrecarregados. As consequências desses gargalos foram um maior custo de transporte, além das longas viagens.

Os portos que estão localizados acima do paralelo 16º S, consistem no que é chamado de Arco Norte, também engloba os terminais das regiões Norte e Nordeste. A contar de 2015, os portos do Arco Norte representam o segundo maior local de saída de grãos de soja e milho exportados do Brasil para o exterior.

Há diversos obstáculos e desafios que devem ser vencidos para impulsionar a área. Mas, de acordo com algumas perspectivas é que o Arco Norte escoe 50% da soja do Estado do Mato Grosso já em 2023.

Mesmo com os obstáculos, fica evidenciado que o escoamento de grãos através do Arco Norte não tem volta, e o aumento no volume do escoamento nos próximos anos é um fato.

Os desafios podem ser superados, vale lembrar que em 2016 um consultor do legislativo da Câmara dos Deputados escreveu sobre o Arco Norte, “declarando a região como a melhor rota logística para grãos no Brasil.”

Voltar ao Topo