Tensão renovada entre Paris e Brasília . Jair Bolsonaro teve, mais uma vez, um dente duro vis-à-vis seu homólogo Emmanuel Macron. O presidente brasileiro, em particular, acusou-o de falar “estupidez” quando disse que a dependência da Europa da soja brasileira apoiou “o desmatamento da Amazônia”. “Pelo amor de Deus, Sr. Macron, não compre soja brasileira, porque você não desmata a Amazônia . Compre soja na França”, disse Bolsonaro ironicamente em sua comunicação semanal ao vivo no redes sociais.

“Pare de falar besteira, Macron, você não conhece seu país e continua dando sua opinião sobre o Brasil”, acrescentou o presidente de extrema direita, que desde que assumiu o poder em 2019 teve numerosas disputas com o Sr. Macron sobre políticas ambientais. Na terça-feira, o presidente francês recomendou aumentar a produção de soja na Europa para ser “consistente com (nossas) ambições ecológicas”. “Quando importamos soja produzida por marcha forçada em florestas destruídas no Brasil, não somos consistentes conosco”, disse Macron em um vídeo que acompanha uma mensagem no Twitter.

Essa afirmação já rendeu a Macron, na quarta-feira, a resposta do vice-presidente brasileiro, Hamilton Mourão. “O senhor Macron não sabe nada sobre a produção de soja no Brasil. Nossa produção de soja é feita no Cerrado (região de savana do sul da Amazônia, nota do editor) ou no sul do país. A produção agrícola na Amazônia é mínima “, disse Mourão.

“Macron retransmitiu os interesses protecionistas dos agricultores franceses, nada mais, faz parte do jogo político”, acrescentou Mourão, considerando que o discurso do presidente francês foi dirigido a um “público interno”. Em 2019, Bolsonaro teve discussões acaloradas com Macron nas redes sociais após as críticas do presidente francês ao aumento dos incêndios na Amazônia.