Economia

Intervencionismo de Bolsonaro pode ser bênção mista para IPO de seguros estaduais

O primeiro IPO de uma empresa estatal brasileira no governo do presidente Jair Bolsonaro surgiu como um teste para saber se sua propensão a intervir na gestão de empresas estatais vai amortecer o interesse dos investidores no mercado brasileiro.

O governo já cortou em um terço a avaliação da Caixa Seguridade, a unidade de seguros do banco estatal Caixa Econômica Federal, antes de seu IPO previsto de cerca de US$ 1 bilhão. Será a terceira tentativa do governo de listar o negócio, após atrasos relacionados à pandemia.

O IPO vem cerca de dois meses depois de Bolsonaro destituir os principais executivos do banco do Brasil e da petrolífera Petrobras em disputas separadas sobre um plano de corte de custos e preços do petróleo. Muitos investidores estrangeiros despejaram suas ações nos dias seguintes a Bolsonaro parecer priorizar a política sobre o retorno dos acionistas.

Desde então, várias empresas foram forçadas a cortar suas avaliações para concluir os IPOs. Além das preocupações com o impacto da pandemia coronavírus, as intervenções estão prejudicando o sentimento. Os banqueiros citam os temores dos investidores de que o governo possa impulsionar medidas populistas e estourar o orçamento do Brasil com o aumento dos gastos.

Mas parte da possibilidade de sucesso no IPO da unidade de seguros de terça-feira pode depender se os investidores estão dispostos a apostar que os recentes sinais de rápido crescimento da empresa-mãe Caixa sob o comando de Bolsonaro, Pedro Guimaraes, podem significar que os laços presidenciais neste caso podem ser positivos.

Guimarães se junta regularmente a Bolsonaro no Facebook para anunciar aberturas de filiais ou taxas mais baixas de cheque especial. A Caixa, maior operadora de crédito imobiliário do Brasil, disse que manterá as taxas de juros fixas para os mutuários, mesmo com o banco central aumentando sua taxa de referência para combater a inflação.

“Quanto mais Bolsonaro usar a Caixa como ferramenta de política monetária, melhor, porque se o banco conceder mais empréstimos, a Caixa Seguridade venderá mais seguros, principalmente hipotecas e vida”, disse o analista de ações Stefan Darakdjian, da gestora de ativos Meraki.

O credor não listado está abrindo 400 novas filiais, enquanto o outro principal banco estatal do país, o Banco do Brasil, provocou a ira de Bolsonaro ao planejar o fechamento de agências.

Guimarães negou que os movimentos em agências e taxas de hipotecas foram tomadas sob pressão presidencial. Ele tem chamado repetidamente a Caixa de “banco de matemática”, o que significa que todas as medidas são tomadas para preservar a rentabilidade.

Embora o efeito desses movimentos sobre a rentabilidade da Caixa seja incerto, analistas disseram que sua expansão provavelmente aumentará as receitas de curto prazo na unidade de seguros Seguridade.

Na segunda-feira, a Caixa Seguridade estava encontrando demanda para potencialmente concluir a oferta de ações, disseram à Reuters duas fontes familiarizadas com o assunto.

PONTOS DE VENDA

A venda planejada pela Caixa de uma participação de 15% na Seguridade dá à seguradora uma avaliação de pelo menos 28 bilhões de reais na parte inferior da faixa de preço, avaliada em 13 vezes o lucro estimado para 2021 em comparação com uma razão de 11,8 para a BB Seguridade, seguradora já listada controlada pelo Banco do Brasil. Para o próximo ano, porém, se a Caixa Seguridade crescer como esperado, ela se tornará mais barata que a rival.

“O banco tem uma pegada enorme em todo o Brasil e isso é positivo para a Seguridade”, disse o gerente de ativos Luiz Missagia, da ACE Capital. “Se superar a BB Seguridade, fica mais barato.”

Ainda assim, em um sinal de que está cobrindo suas apostas no IPO, a Caixa também aumentou para 50% o loteamento de ações reservadas para investidores locais de varejo, vistos como menos discriminantes do que as instituições.

“A interferência de Bolsonaro pode ser potencialmente boa para a Seguridade, mas como um todo vejo a interferência do governo como uma responsabilidade para o acordo porque suas consequências são incertas”, disse Missagia. “Se esta é a única vantagem para o negócio, eu não vejo isso como um lado positivo.”

Voltar ao Topo