Benefícios

INSS: Aposentadorias novas podem ter redução devido o aumento da expectativa de vida

Mesmo depois de completar um ano de reforma previdenciária neste mês, fatores previdenciários ainda atormentam os trabalhadores que estão prestes a se aposentar.

Calculado com base na idade do segurado, no tempo de pagamento e na expectativa de sobrevida da população, o índice será corrigido a cada ano e divulgado com a tábua de mortalidade do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), quanto maior a expectativa de sobrevivência, menor o valor dos benefícios que serão concedidos.

Divulgou nesta quinta-feira (26), o formulário 2019, que ficará em uso pela Previdência Social até o dia 30 de novembro do ano que vem, e mostra que a vida dos brasileiros aumentou em 56 dias.

As expectativas de sobrevivência do Brasil aumentaram de 76,3 em 2018 para 76,6 em 2019.

O fator previdenciário do INSS reduzirá o bem-estar das pessoas em idade de aposentadoria, com a utilização desse índice, quanto maior o período de contribuição e quanto mais velho o segurado, maior o valor de seus benefícios.

Com a reforma previdenciária, as novas regras deixaram de usar esse fator para calcular as pensões, mas em dois casos, os fatores previdenciários ainda valerão: para quem tem todas as condições de aposentadoria antes da reforma entrar em vigor em 12 de novembro de 2019, e para trabalhadores que faltam apenas dois anos para a aposentadoria, tempo de pagamento requerido antes da aposentadoria (30 anos, feminino, 35 anos, masculino), neste último caso, o segurado pode optar por uma nova regra de transição, que cobra 50% do tempo restante de aposentadoria.

Portanto, para essas pessoas, sempre que a expectativa de vida aumentar, o valor dos benefícios após a aplicação dos fatores previdenciários diminuirá.

Voltar ao Topo