Energia

Indústria solar brasileira sente o calor da economia em queda, COVID-19

Com o aumento do custo das importações, a redução da demanda de energia e o adiamento indefinido dos leilões em meio à crise de coronavírus, a indústria solar fotovoltaica (PV) brasileira está sentindo o calor que pode impactar o momento da instalação anual.

A capacidade de instalação anual do setor fotovoltaico brasileiro deverá cair para 0,7 GW em 2020, de 1,3 GW em 2019, conforme estimado pela empresa de dados e análises.

Segundo a GlobalData, o enfraquecimento da economia brasileira devido à pandemia está causando um aumento nos custos de importação, o que impactaria a viabilidade de projetos que garantiram financiamento.

Além disso, a desaceleração da economia tornará difícil para os desenvolvedores fechar acordos de financiamento e impedir o crescimento do mercado, acrescentou.

Enquanto explica mais sobre o assunto, Somik Das, analista de energia sênior da GlobalData, disse que “os desenvolvedores de energia solar brasileiros geralmente adquirem a maioria dos componentes fotovoltaicos da China. Com o surgimento da pandemia, a entrega de componentes fotovoltaicos está passando por atrasos devido a uma interrupção na cadeia de fornecimento global. Embora o país possua uma indústria manufatureira doméstica, os painéis fabricados são, em média, 20% mais caros que as importações, devido aos impostos e à menor escala de produção em comparação com a China. ”

Significativamente, um grande impulsionador do mercado solar brasileiro são os seus leilões A-4 e A-6, que ultimamente resultaram na contratação de capacidades fotovoltaicas substanciais.

No cenário pré-COVID-19, a estratégia do governo era implementar o leilão público A-4 na primeira metade de 2020 enquanto o leilão A-6 durante a segunda metade e repetir o mesmo em 2021.

No entanto, com o surto de vírus, esses leilões serão realizados quando a normalidade for restaurada, o que atualmente é difícil de prever.

Das opinou ainda que “adicionalmente, o real brasileiro sofreu uma queda significativa em relação ao dólar americano, passando de 4,1 em dezembro de 2019 para 5,3 em abril de 2020. A depreciação da moeda local dificultará para os desenvolvedores e proprietários do projeto buscar financiamento com capital internacional mercados ”.

Anteriormente, a empresa de dados e análises em seu relatório mencionou que, em meio ao surto de Covid-19, o governo brasileiro adiou os leilões nacionais de geração e transmissão de energia limpa, com mais de 51 GW, programados para maio deste ano, para prazo indefinido.

Voltar ao Topo