Óleo e Gás

Importações de etanol despencam em setembro

etanol

As importações brasileiras de etanol caíram em setembro ao menor nível em seis anos, em meio a uma arbitragem desfavorável para o produto importado, segundo dados do Ministério da Economia.

As importações de etanol atingiram o menor nível desde setembro de 2015, totalizando apenas 50m³, queda de 99pc na base anual e quase 100pc em relação ao mesmo período de 2019, antes do início da pandemia de Covid-19.

As importações do Canadá representam 87pc do total, e o restante foi enviado da Alemanha. Nos últimos meses, quase todo o etanol importado veio do Paraguai .

O clima desfavorável nos últimos meses e os preços recordes do biocombustível estão gerando preocupações entre os varejistas de combustível, já que as fontes para as importações desta safra chegam a 1 milhão de m³ . Para compensar a oferta limitada no país, o setor de licenciamento está pressionado o governo para a isenção da taxa de importação de 20pc sobre as importações de um bloco econômico do Mercosul, já que o câmbio atual desfavorece desfavorece em dólar.

No mercado interno, os preços dos biocombustíveis aumentaram drasticamente nos últimos meses por conta dos estoques exclusivos .

As exportações caíram 30pc, para 204.574 m³, à medida que a moagem da cana-de-açúcar se aproxima de um fim precoce no Centro-Sul, a principal região produtora do país, em uma safra impactada por eventos climáticos adversos.

As exportações de etanol industrial para a Coreia do Sul representaram 58 unidades do total embarcado do Brasil. O restante, tanto de etanol combustível quanto industrial, foi enviado para a Nigéria (11pc), EUA (10pc) e Holanda (7pc). O Brasil é um dos pilares do fornecimento global de etan

Voltar ao Topo