Petróleo

Guedes insiste em privatizar a Petrobras, pois o mundo caminha para “uma economia verde e digital”

petrobras

O ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, sublinhou na quarta-feira que o anunciado plano de privatizações do governo (cerca de 100 empresas) deve incluir a gigante do petróleo Petrobras porque o “futuro é verde” e em poucos anos o valor do petróleo será zero.

“A Petrobras não satisfaz ninguém e é uma bomba-relógio para o governo”, destacou Guedes durante evento virtual com outras autoridades em que reafirmou que “o mundo caminha para uma economia verde e digital”. O ministro não se esqueceu de mencionar a recente situação de corrupção alargada em que a gigante do petróleo esteve envolvida.

A possível privatização da gigante do petróleo e gás Petrobras, sob controle governamental, mas com participação privada e ações cotadas em São Paulo, Nova York e Madri, começou a ser cogitada pelo governo do presidente Bolsonaro nos últimos meses.

Segundo declarações do Bolsonaro, a ideia nasce dos fortes aumentos nos preços dos combustíveis, quase 50% até agora neste ano, e que junto com outras questões estão corroendo a popularidade do presidente, que em outubro de 2022 disputará a reeleição.

Só no mês passado Bolsonaro reclamou que a Petrobras só lhe causa “dores de cabeça” e lamentou que ele não possa intervir nas políticas de preços dos combustíveis e no aumento contínuo dos custos gerais para a economia.

“O que há de tão bom em a Petrobras atingir recordes de produção, se os benefícios acabam no bolso dos acionistas” e não para a sociedade e os consumidores.

Guedes previu na quarta-feira que aqueles que se opõem à privatização da Petrobras vão acabar sentados em barris de petróleo que em alguns anos serão inúteis, à medida que avançamos para um futuro econômico verde.

O economista ortodoxo, que também deseja privatizar todas as empresas estatais brasileiras, disse que os contrários a tal política e querem que a Petrobras permaneça nas mãos do governo só têm interesse em “roubar de novo”, em referência aos bilhões de dólares em corrupção que foram. revelado na maior empresa brasileira.

Com efeito, a corrupção ampliada e a ordenha dos fundos da Petrobras ocorreram durante os governos do Partido dos Trabalhadores, sob a liderança do ex-presidente Lula da Silva, que novamente despontou como o principal adversário de Bolsoarno nas eleições de outubro.

Voltar ao Topo