Economia

Governo estuda restringir seguro-desemprego visando poupar recursos para o Renda Brasil

Segundo Waldery Rodrigues, secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, o governo prevê um aumento da carência, o que significa que os trabalhadores têm direito aos benefícios.

O objetivo é revogar os direitos de economizar recursos e direcioná-los para a Renda Brasil, o governo Jair Bolsonaro está avaliando mudanças no seguro-desemprego com o objetivo de economizar dinheiro e direcioná-lo para o plano Renda Brasil, ainda a ser implantado.

Segundo estudo de Waldery Rodrigues, secretário especial do Ministério da Fazenda, o estudo prevê um aumento da carência, o que significa que os trabalhadores têm direito aos benefícios, a outra é reduzir o número de parcelas.

De acordo com a regulamentação em vigor, o primeiro pedido pode ser feito após 12 meses de trabalho, e o seguro é dividido em três e cinco parcelas.

“Estamos estudando o número de faltas ou parcelamentos, são itens mais importantes e mais adequados para análise. […] Se for ampliado para 15 meses, 20 meses, 24 meses, o custo do seguro-desemprego também será reduzido ”, declarou Waldery Rodrigues ao portal do G1.

O dirigente confirmou que, para deixar mais dinheiro para a Lenda Brasil, o governo pretende congelar por dois anos e separar benefícios previdenciários como aposentadorias e pensões do reajuste do salário mínimo.

Voltar ao Topo