Notícias

Governo Brasileiro nomeia mais dois membros para a diretoria da Petrobras

Petrobras

O governo brasileiro nomeou mais dois membros do conselho da Petrobras, para serem votados na próxima assembleia geral extraordinária.

A Petrobras disse nessa quarta-feira (10) em um depósito de valores mobiliários que recebeu uma carta oficial do Ministério de Minas e Energia com duas indicações para membros do conselho de administração da empresa.

De acordo com a empresa, o Ministério de Minas e Energia indicou Cynthia Santana Silveira e Ana Silvia Corso Matte.

Das duas, Santana Silveira é uma experiente operária de óleo e gás com longa trajetória no setor. Mais notavelmente, ela trabalhou para o major do petróleo Total por 17 anos. Corso Matte é advogado e já atuou como conselheiro nos conselhos de administração da Cemig, Renova Energia e da start-up Superjobs.

Essas duas indicações ocorrem apenas dois dias depois que o Ministério de Minas e Energia e o Ministério da Economia indicaram seis novos membros para o conselho de administração da Petrobras .

Os  nomes indicados foram Joaquim Silva e Luna, Eduardo Bacellar Leal Ferreira, Ruy Flaks Schneider, Márcio Andrade Weber, Murilo Marroquim de Souza e Sonia Julia Sulzbeck Villalobos.

Vale destacar que Villalobos foi o único indicado pelo Ministério da Economia, enquanto os demais membros foram indicados pelo Ministério de Minas e Energia.

Outro fato interessante é que dois dos seis nomes vêm de origens militares. Silva e Luna, o homem indicado também para ser o próximo CEO da empresa , é um deles. Ele é um general militar aposentado que administrava a hidrelétrica de Itaipu, na fronteira com o Paraguai. É importante notar também que ele não tem nenhuma experiência em petróleo e gás.

O outro nome é Eduardo Bacellar Leal Ferreira, almirante e até janeiro de 2019 Comandante da Marinha do Brasil, mas, ao contrário de Silva e Luna, ele tem experiência em petróleo e gás, pois é o atual presidente da Petrobras. Dois – Márcio Andrade Weber e Murilo Marroquim de Souza – trabalharam na Petrobras por 16 e 23 anos, respectivamente.

Essas nomeações são o resultado da decisão de cinco atuais membros do conselho de administração de renunciar como um movimento reacionário à destituição do atual CEO Roberto Castello Branco pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

A saber, João Cox NetoNivio ZivianiPaulo César de Souza e SilvaOmar Carneiro da Cunha Sobrinho e Leonardo Pietro Antonelli afirmaram no início deste mês que não se candidatariam à reeleição na próxima assembleia geral anual, renunciando efetivamente ao cargo a empresa.

Voltar ao Topo