Notícias

Governo americano pretende suspender restrições de viagens para brasileiros e europeus entrar no país

A Casa Branca está considerando rescindir as proibições de entrada para a maioria dos cidadãos não americanos que estiveram recentemente no Brasil, Grã-Bretanha, Irlanda e 26 outros países europeus.

A administração de governo americana, ainda a da era Trump, impôs as proibições em uma tentativa de conter a nova pandemia de coronavírus. No entanto, não estão considerando suspender as proibições de entrada dos cidadãos não americanos que estiveram recentemente na China ou no Irã, disseram as autoridades.

O plano ganhou o apoio dos membros da força-tarefa do coronavírus na Casa Branca, afirmando questões de saúde pública e outras exigências federais, disseram as autoridades americanas que divulgaram a notícia.

Muitos funcionários do governo argumentam que as restrições não fazem mais sentido, uma vez que a maioria dos países ao redor do mundo não está sujeita à proibição de entrada. Eles afirmam que o levantamento das restrições seria um incentivo para as dificuldades das companhias aéreas americanas, que viram as viagens internacionais cair 70%, de acordo com dados do setor de aviação civil.

Trump ainda pode optar por não suspender as restrições, dado o alto número de infecções por coronavírus na Europa e Brasil. Um obstáculo potencial é o fato de que os países europeus provavelmente não permitirão imediatamente que a maioria dos americanos retome as visitas, disseram as autoridades.

Os países europeus que estão sujeitos às restrições de entrada dos EUA incluem os 26 membros do espaço Schengen que permitem viagens através das fronteiras abertas.

As restrições dos EUA que impedem a maioria dos visitantes da Europa estão em vigor desde meados de março, enquanto a proibição de entrada do Brasil foi imposta em maio. Trump implementou a primeira proibição na maioria dos visitantes não americanos vindos da China em 31 de janeiro e, em seguida, acrescentou o Irã em fevereiro.

Tais restrições impedem a entrada da maioria dos residentes não americanos que estiveram nesses países nos 14 dias anteriores, mas o Departamento de Estado dos EUA tem concedido algumas “exceções de interesse nacional” para permitir que viajantes da Europa relacionados a “viagens humanitárias, resposta à saúde pública e segurança nacional. ”

Os Estados Unidos também aprovaram exceções para alguns viajantes de negócios, investidores, acadêmicos, estudantes e jornalistas europeus e brasileiros.

Na segunda (22), o CDC emitiu novas recomendações de viagens e testes para viajantes internacionais, recomendando que eles “fizessem um teste viral 1-3 dias antes do voo para reduzir a propagação durante a viagem. Os viajantes devem fazer o teste de 3 a 5 dias após a viagem e ficar em casa por 7 dias. ”

Questionado sobre as perspectivas de suspensão das restrições de viagens, um porta-voz do Departamento de Transporte dos EUA disse que “o departamento está pronto para apoiar a retomada segura de voos internacionais de e para os EUA”

“As conversas estão em andamento entre o governo federal, parceiros internacionais e partes interessadas da indústria sobre esses assuntos.” informou a fonte.

Voltar ao Topo