Óleo e Gás

Golar Power e Hydro fecham negócio de fornecimento de GNL no Brasil

A Hygo Energy Transition, anteriormente conhecida como Golar Power, não fornecerá mais gás natural liquefeito (GNL) para a Hydro da Noruega em um acordo inicial assinado em julho.

As empresas rescindiram mutuamente na segunda-feira o Memorando de Entendimento (MoU) que assinaram no início deste ano, sem fornecer detalhes da decisão.

Sob o acordo, a Golar Power forneceria GNL para a refinaria de alumina Alunorte da Hydro em Barcarena, norte do Brasil. Com um contrato final de fornecimento, a Alunorte adaptaria parte de seu processo de troca de óleo combustível por GNL, reduzindo suas emissões de carbono. O GNL seria importado por meio de um terminal recém-construído no estado do Pará, com início de operação previsto para o primeiro semestre de 2022.

A Hydro disse em um comunicado na segunda-feira que a rescisão do MoU foi “baseada nas disposições do acordo”. Acrescentou que mantém o compromisso de buscar o gás natural como fonte de energia para a refinaria da Alunorte e “dará continuidade às discussões com as partes interessadas”.

Um porta-voz da Hydro não pôde fornecer mais detalhes sobre a decisão, mas disse à Kallanish Energy que as futuras negociações de fornecimento “poderiam incluir Golar Power / Hygo, mas exigiriam um novo processo e decisão”.

Hygo observou que, apesar do término do MoU existente, seus planos para construir o primeiro terminal de importação de GNL na região norte do Brasil “não serão afetados”. A empresa disse que continua comprometida com o Terminal de Barcarena e a construção deve começar “em breve”.

O anúncio ocorre no momento em que Hygo nomeia Paul Hanrahan como seu novo CEO, após a renúncia de Eduardo Antonello, que esteve envolvido em acusações de corrupção no Brasil.  

Antonello está se retirando imediatamente, pois deseja “proteger e isolar Hygo de qualquer interpretação enganosa causada por alegações recentes”, disse Hygo em um comunicado.

Voltar ao Topo